Hipercolesterolemia familiar


Se não for tratada adequadamente, a hipercolesterolemia pode obstruir a passagem dos vasos sanguineos e causar infartos.

 
Um problema que atinge aproximadamente 30% da população brasileira, especialmente com idades a partir dos 45 anos, a hipercolesterolemia familiar, é definida pelo excesso de colesterol circulante no sangue, ou seja, o colesterol total acima de 240mg/dL.
 
Esse excesso de colesterol no sangue, representa um grande fator de risco para desenvolvimento de doenças cardiovasculares, pois o LDL (colesterol ruim) elevado, permite que o colesterol circule pelos vasos sanguíneos, depositando nas paredes das artérias altos índices de gordura, o que com o tempo, esse acúmulo pode gerar placas de gordura e promover a obstrução do fluxo de sangue nas artérias do coração. 
 
O perigo da hipercolesterolemia é não manifestar sintomas, por ser uma doença genética. Resultando em infartos ou doenças cardíacas, decorrentes da exposição às altas concentrações de colesterol desde o nascimento. No entanto, existem alguns sinais clínicos que podem diagnosticar a doença, são eles:
 
- Xantomas, que podem ser protuberâncias ou lesões na pele em volta dos olhos.
- Xanteplasma palpebral, que são manchas de coloração amarelada, na periferia dos olhos. 
- Arco Senil, presença de um anel opaco esbranquiçado na região da córnea.
 
Os altos índices de colesterol no sangue (que podem ser tratados com o medicamento Sinvastatina), é responsável pelos altos riscos de desenvolvimento de doenças coronarianas, doença arterial periférica, acidente vascular cerebral (AVC), ataque cardíaco, entre outras doenças que se não forem diagnosticadas previamente, levam a morte. 
 
Felizmente, existem tratamentos eficazes disponíveis, mas especialistas recomendam que, é imprescindível manter o acompanhamento da pressão arterial e das taxas de colesterol, para que os tratamentos sejam realizados com o objetivo de atingir os valores normais de pressão e LDL. 
 
Uma alimentação equilibrada, rica em fibras e pobre em gorduras saturadas, associada com a prática regular de atividades físicas, pode auxiliar a reduzir o nível de colesterol no sangue. Evitar o cigarro, o consumo de bebidas alcoólicas e estresse emocional, também auxilia no tratamento da hipercolesterolemia. Especialistas afirmam que, pacientes que procuram manter o peso ideal, adotando um estilo de vida saudável e uma boa alimentação, garantem longevidade e afastam o risco de morte por doenças cardiovasculares.