Hepatite C: saiba como prevenir


A forma de contágio pode acontecer em uma simples ida à manicure ou podólogo. Fique atento!

 

As estimativas indicam que existe, em todo o mundo, 170 milhões de portadores da hepatite C, e que só no Brasil, há 2 milhões de pessoas afetadas. Ainda assim, boa parte da população ainda desconhece do que se trata e quais são as principais formas de contágio da hepatite C. Na realidade,  machucados numa simples visita à manicure ou mesmo ao podólogo podem ser porta de entrada para a doença. 
 
A hepatite C é causada pelo vírus HCV, que é bastante resistente. Ele pode sobreviver até uma semana em um alicate de unhas não esterilizado, por exemplo. E gera inflamações no fígado e, em casos mais graves, cirrose e câncer hepático. Instrumentos como alicates de unhas e tesouras são locais comuns de presença desse vírus. Além desses, seringas e agulhas usadas para colocar piercings e fazer tatuagens também podem transportá-lo.  
 
Para evitar riscos, recomenda-se que os instrumentos utilizados na manicure sejam esterilizados e as agulhas e seringas usadas para piercings e tatuagens, descartadas após o uso. O ideal é que cada um tenha seu próprio kit para fazer as unhas. 
 
Na maioria dos casos, o portador não sente nada após ser infeccionado pelo vírus. Os sintomas podem demorar até anos para aparecer. Às vezes, a pessoa só se descobre portadora do vírus em uma fase avançada da doença. 
 
A hepatite C pode ser diagnosticada por meio de exames de sangue, que utilizam uma sorologia para anticorpos do vírus HCV. Faz-se, assim, a pesquisa de anticorpos contra o vírus – o anti-HCV. A presença desse anticorpo indica que a pessoa teve contato com o vírus. Detectar isto não quer dizer que a pessoa seja portadora da hepatite C. Para confirmar o diagnóstico, é preciso consultar um infectologista ou hepatologista, que são os médicos especializados para em lidar com essa doença. Pelos níveis de imunidade do organismo o médico poderá confirmar se o vírus foi eliminado ou se a infecção persistiu. 
 
Caso a hepatite C seja diagnosticada no início, há possibilidade de que seja curada integralmente. Em casos mais avançados, a pessoa deve manter um tratamento à base de medicamentos, por cerca de seis meses a um ano. Os medicamentos podem causar diversos efeitos colaterais, como depressão, fadiga, náuseas, febre e dores de cabeça. Ainda assim, vale a pena: 50% dos casos de hepatite C são revertidos por meio de tratamento.
 
Por: AgComunicado