Fisiopatologia do Déficit de Atenção


Saiba o que são o Déficit de Atenção e a Hiperatidade e conheça seus potenciais efeitos sobre a saúde.

Fisiopatologia do déficit de atenção e hiperatividade

 

A fisiopatologia do déficit de atenção e hiperatividade não é clara e há um número de teorias concorrentes. A investigação sobre as crianças com déficit de atenção e hiperatividade mostrou uma redução geral do volume do cérebro, mas com uma redução proporcionalmente maior do volume do córtex pré-frontal do lado esquerdo. Estes achados sugerem que os principais recursos de déficit de atenção e hiperatividade, de desatenção, hiperatividade e impulsividade podem refletir disfunção do lobo frontal, mas outras regiões do cérebro em cerebelo particular também têm sido implicados.

 

Estudos de neuroimagem em déficit de atenção e hiperatividade nem sempre dão resultados consistentes e dados de 2008 são usados ​​apenas para investigação e não fins de diagnóstico. A revisão de 2005 de estudos publicados envolvendo neuroimagem, genética, neuropsicológicas, e neuroquímica encontrado linhas convergentes de evidências que sugerem que quatro regiões ligadas ao frontostriatal desempenham um papel na fisiopatologia da déficit de atenção e hiperatividade: córtex pré-frontal lateral, córtex cingulado dorsalanterior, caudado e putâmen.

 

Em um estudo um atraso no desenvolvimento de certas estruturas cerebrais por uma média de três anos ocorreu em déficit de atenção e hiperatividade elementares em pacientes em idade escolar. O atraso foi mais proeminente no córtex frontal e lobo temporal, que se crê ser responsável pela capacidade de controlar e concentrar, pensar. Em contraste, o córtex motor nos pacientes com déficit de atenção e hiperatividade foi visto mais rápido do que o normal. Deve notar-se que a medicação estimulante em si pode afetar os fatores de crescimento do sistema nervoso central.

Henrique Torres