Febre Chikungunya: pode ser transmitida pelo mesmo mosquito da dengue


Compreenda sobre essa doença

De uns tempos para cá tem se falado sobre a febre Chikungunya, uma doença que se assemelha com a dengue e é causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. Essa febre é transmitida pelo mesmo mosquito da dengue: Aedes aegypti.

O nome chikungunya no dialeto da Tanzânia significa “aqueles que se dobram”, que faz alusão ao comprometimento à saúde. Essa doença impede a pessoa de se movimentar e gera muitas dores, principalmente nas articulações, a pessoa com a doença não consegue caminhar normalmente, anda curvada.

Essa doença era mais comum no Saara, mas ainda neste ano foram registrados casos no Quênia e o mal se espalhou pelas ilhas do Oceano Índico.

O mal também tem sido registrado nos países: Índia, Tailândia, Maldivas, Indonésia, dentre outros. E como a febre chikungunya é transmitida pelo Aedes aegypti, há um alerta para que se preste mais atenção no Brasil. 

Assim como ocorre com a dengue, essa doença não é transmitida de pessoa para pessoa. E uma vez em que o mosquito esteja contaminado, pode disseminar a doença enquanto existir.

Depois de picada, a pessoa pode demorar de 2 a 12 dias para apresentar os sintomas da doença. 

Os sintomas “básicos” dessa febre se assemelham à dengue que são: febre, dor nas articulações, nas costas e dor de cabeça. Mas a pessoa também pode apresentar erupções cutâneas, sensação de cansaço, náuseas, vômitos, entre outros.

Em casos de quaisquer sintomas é fundamental que um médico seja procurado e dentre os cuidados na fase do tratamento, os mais enfatizados são: beber muito líquido e evitar medicamentos à base da substância ácido acetilsalicílico (aspirina). Anti-inflamatórios como diclofenaco e ibuprofeno também devem ser evitados. Essas medicações poderiam ocasionar sangramentos. Por isso, o ideal para a recuperação é repouso absoluto, estar sob observação em um ambiente sem quaisquer vestígios da presença do mosquito transmissor. Se o tratamento for seguido em casa é importante que haja um mosqueteiro para proteger a pessoa de possível contato com o mosquito.

A melhor maneira de prevenção ainda é cuidando do ambiente e evitando água parada e claro, em caso de quaisquer sintomas anormais, um hospital deve ser procurado imediatamente.

 

Daiana Barasa