Fadiga Adrenal, um mal do século XXI


Cansaço, falta de interesse e mau funcionamento das glândulas adrenais são os principais sintomas

Ela vem sendo reconhecida como a síndrome do século XXI e o estresse é o principal desencadeador desta doença. Não faz distinções entre raça, profissão ou classe social. A fadiga adrenal é ainda pouco conhecida e muitas vezes confundida com outras doenças com sintomas semelhantes, como depressão, ansiedade e labirintite, entre outras. O cansaço crônico, aparentemente sem motivo, é um dos principais sintomas.
   
Atente para outros sinais ou sintomas:

- Falta de vontade de levantar pela manhã;
- Sente-se melhor após as 18h00 e novamente cansado a partir das 21h, mas resiste em dormir;
- Consumo excessivo de café ou refrigerante tipo cola;
- Compulsão por alimentos muito doces ou salgados;
- Sofre de doenças de repetição, como resfriados, tosse, herpes ou infecções;
- Só consegue “produzir” no período vespertino ou à noite ou de madrugada;
- Falta de interesse e atividade sexual;
- Hipoglicemia após situações de stress;
- Forte tensão pré-menstrual;
- Depressão, cansaço crônico e irritabilidade;
 
Este tipo de fadiga ocorre, principalmente, devido à queda de cortisol, e acaba desequilibrando outros órgãos e sistemas do corpo. Com o tempo, o estresse se reduz, dando lugar ao processo de envelhecimento e aceleramento brutal do catabolismo, que se dá quando o organismo está sem energia suficiente e passa a buscá-la destruindo os próprios tecidos e reservas, liberando aminoácidos e glicose que serão convertidos em energia.

Na maioria das vezes tal processo é considerado parte integrante da velhice.  A falta de um diagnóstico correto trará consequências ao individuo que, sem acesso às modernas opções de tratamento, terá sua qualidade de vida comprometida.

Manter o equilíbrio adrenal é uma das mais importantes terapias para recuperar a qualidade de vida.  As glândulas adrenais produzem uma variedade de hormônios e  são vitais para o equilíbrio metabólico, pois atuam na produção de energia, principalmente.

Para recuperar a qualidade de vida, portanto, é essencial ter o tal “sono reparador”. Comece mudando os seus hábitos: durma antes das 22h, resolva seus problemas com clareza, coma bem e em intervalos regulares, faça atividades que lhe tragam prazer. E consulte o médico.

Por: AgComunicado