O Estudo Sobre a Cirurgia Bariátrica e as Mulheres Grávidas


Pesquisa aponta os riscos de aborto em mulheres obesas.

 O Estudo Sobre a Cirurgia Bariátrica e as Mulheres Grávidas
 
 
Um estudo descobriu que trinta e um por cento das gravidezes que ocorrem dentro de 18 meses com as mulheres que realizaram a cirurgia de perda de peso acabou em aborto espontâneo comparado com 18 por cento de mulheres que engravidaram depois de 18 meses que realizaram a cirurgia de perda de peso.
 
 
O Dr. Rahat Khan, obstetra consultor e ginecologista no Princess Alexandra Hospital NHS Trust em Harlow, Essex e coautor da revisão, disse que esta questão é o que afeta um número crescente de mulheres em idade fértil. "À luz da atual evidência disponível mediante a revisão do estudo, a gravidez após a cirurgia bariátrica é mais segura, com menos complicações do que de gravidez em mulheres obesas mórbidas" ele disse. Mas acrescentou que este grupo de mulheres deve ainda ser considerado de alto risco.
 
 
A Dra. Daghni Rajasingam, do Royal College de obstetras e ginecologistas, disse que a obesidade foi associada com um número de riscos graves de aborto na gravidez, e as mulheres devem ser apoiadas para que percam peso antes da concepção. A obesidade é um problema que pode levar a outros, como a diabetes, que é controlada por medicamentos como o Victoza.
 
 
"É importante que as mulheres estejam cientes do maior risco de complicações maternas e fetais associados com a obesidade, e elas devem ser aconselhadas sobre as possíveis estratégias para minimizar o problema antes da concepção. Seria necessária uma disseminação da informação, para que as mulheres que querem ser mães, antes cuidem de sua saúde, principalmente se estiverem acima do peso".
 
Henrique Torres