Estudo: Mulheres que sobreviveram ao câncer infantil ainda possuem boa chance de engravidar!


Os pesquisadores descobriram que, embora as mulheres que sobreviveram ao câncer na infância têm um risco aumentado de infertilidade, elas ainda têm uma boa chance de engravidar.

 
 
Os pesquisadores descobriram que, embora as mulheres que sobreviveram ao câncer na infância têm um risco aumentado de infertilidade, elas ainda têm uma boa chance de engravidar. A Maca Peruana pode ajudar tais mulheres, pois melhora o sistema hormonal, restaurando o equilíbrio hormonal saudável e o corpo pode operar em melhores condições. Pode ser usada também como um estimulante sexual.
 
 
O estudo, publicado na revista The Lancet Oncology, revelou que cerca de dois terços das mulheres que sofriam de câncer infantil engravidaram. Os pesquisadores dizem que esta é uma taxa de gravidez semelhante ao observada em sobreviventes que não possuíam câncer mas receberam tratamento de infertilidade.
 
 
Pesquisadores realizaram um levantamento dos participantes do Childhood Cancer Survivor Study (CCCS). O estudo acompanhou as pessoas que foram diagnosticadas com câncer com idade de 21 anos em mais de 26 instituições norte-americanas e canadenses. O estudo incidiu sobre as mulheres que estavam tentando engravidar. 
 
 
Os pesquisadores analisaram 3.531 mulheres participantes do Childhood Cancer Survivor Study (CCCS) com idade entre 18 e 39 anos que relataram serem sexualmente ativas em algum momento de suas vidas, assim como 1366 irmãos e irmãs das participantes para comparação dos resultados no final do estudo.
 
 
Os resultados mostraram que das 455 participantes do estudo que relataram infertilidade clínica, 64% delas se tornaram grávidas. Os resultados também revelaram que no grupo mais jovem de sobreviventes e seus irmãos, que estavam com idade de 24 anos, a infertilidade era quase três vezes mais comum nos sobreviventes do que em seus irmãos.
 
 
Mas os resultados mostraram que essa diferença foi menos acentuada em mulheres em seus 30 anos. Os autores do estudo dizem que isso pode ser porque a infertilidade é mais comum em todas as mulheres nessa faixa etária e não se limita aos sobreviventes.
 
 
Surpreendentemente, o estudo também revelou que, embora as sobreviventes eram tão prováveis como seus irmãos e irãs para procurar tratamento médico para infertilidade, os irmãos tinham duas vezes mais probabilidade de receberem prescrição de medicamentos.
 
 
A Dr. Sara Barton, líder do estudo, diz: "Não temos dados sobre o porquê de os provedores não prescreverem medicamentos de infertilidade, mas estão preocupados com um viés contra o tratamento de sobreviventes para a infertilidade. Talvez os médicos avaliaram a possibilidade de sucesso como pobre e, portanto, decidiram não tentar a terapia".
 
 
A Dr. Barton acrescenta que os médicos que cuidam de sobreviventes de câncer infantil que solicitam informações sobre a probabilidade de gravidez ou o sucesso do tratamento de infertilidade têm uma escassez de dados sobre a qual fornecem recomendações.
 
 
Ela acrescenta: "Para o nosso conhecimento, o nosso é o primeiro grande estudo de mulheres sobreviventes de câncer infantil para quantificar o risco de infertilidade, que é baseado em uma definição clínica, e caracteriza o uso e o sucesso dos tratamentos de infertilidade neste cenário."
 
Henrique Torres