Epilepsia: compreendendo sobre o problema e tratamento


Milhares de pessoas ao redor do mundo sofrem com este mal

De acordo com a Associação Brasileira de Epilepsia (Abe), a cada cem pessoas, de uma a duas têm epilepsia e acredita-se que aproximadamente 50 milhões de pessoas ao redor do mundo sofrem do problema. 

E o que é a epilepsia? De acordo com a Abe, é um distúrbio no cérebro que se expressa por crises repetidas, sem fator agudo desencadeante, o que quer dizer que a pessoa tem uma tendência a ter crises epiléticas.

De acordo com a Associação, a epilepsia pode ser resultado de uma lesão congênita (no nascimento), pode ser um problema decorrente de outras causas que lesionam o cérebro, como batida forte na cabeça, pode ser resultado de uma infecção como meningite, encefalite, neurocisticercose, assim como também pode ser resultado do uso frequente de drogas ou de bebidas alcoólicas. Na maioria dos casos, não é possível conhecer as causas que originaram a epilepsia, por isso, o mal é tratado como de causa desconhecida.

De acordo com a Liga Brasileira de Epilepsia (LBE), o diagnóstico do problema é realizado por meio de exames como eletroencefalograma e neuroimagem. O histórico do paciente também é essencial, isso porque mesmo em casos em que exames apresentem resultados normais, a pessoa ainda assim, pode ser epiléptica. Em casos que a pessoa não lembra-se das crises, ter o testemunho  de alguém próximo é muito importante para compreender o tipo de epilepsia.

 

                                                    E ESTE MAL TEM CURA?

 

De acordo com a LBE, o mais comum é que a pessoa passe anos sem ter crises e sem medicação. Durante muito tempo, a epilepsia era comumente relacionada ao medicamento Gardenal, mas há outras drogas antiepiléticas que podem ser eficazes na maioria dos casos e que produzem menos efeitos colaterais. Mas vale ressaltar, que muitas pessoas que sofrem do problema, conseguem ter uma vida normal em todos os âmbitos, incluindo o âmbito profissional.

Dentre as drogas prescritas para o tratamento da epilepsia está o Topiramato, mas é fundamental que seja administrado sob prescrição médica, até mesmo para que possíveis efeitos colaterais sejam observados.

Outra substância que também costuma ser prescrita para o tratamento da epilepsia é a carbamazepina, que é um derivado químico de antidepressivos tricíclicos.

Um dos grandes males também decorrentes da epilepsia é o preconceito que muitas pessoas alimentam por desconhecimento do problema. A epilepsia é um mal que tem tratamento e aquele que sofre do problema pode ter qualidade de vida como qualquer pessoa.
 


Fontes

Associação Brasileira de Epilepsia: www.epilepsiabrasil.org.br/duvidas-frequentes

Liga Brasileira de Epilepsia. Tudo sobre Epilepsia: epilepsia.org.br/o-que-e-epilepsia

 

 

 

 

 

 

Daiana Barasa