Emagrecer ou ser emagrecido?


Mudanças de hábitos alimentares podem ser complementadas por medicamentos

Emagrecer pode até ser uma tarefa fácil para algumas pessoas. A dificuldade está em se manter no novo peso. O corpo parece insistir em “querer” voltar ao peso original. A sensação de saciedade nem sempre é conseguida após um prato hipocalórico. A fome aperta... O que fazer? 
 
Segundo dados de pesquisa do Ministério da Saúde divulgados em abril deste ano, quase metade da população brasileira está acima do peso. O percentual de 42,7% em 2006 subiu para 48,5% em 2011. Neste mesmo período, notou-se também o aumento no número de pessoas que sofrem com a obesidade – de 11,4% para 15,8%.
 
Mudanças significativas nos hábitos alimentares podem e devem ser estimulados por profissionais qualificados. O nutricionista pode servir como ponto de partida: ele avalia o tipo físico, registra o histórico e características da pessoa e é capaz de montar uma dieta exclusiva, que atenda às necessidades particulares de quem deseja ou precisa eliminar gordura corporal. O endocrinologista pode fazer a avaliação do sistema endócrino da pessoa. Talvez medicamentos sejam prescritos. Há algum tempo a proibição do uso da sibutramina gerou grande polêmica.
 
De qualquer forma, o esforço no sentido de se seguir uma dieta balanceada e com o patamar correto de ingestão calórica de fato não termina ao se conquistar o peso ideal. É meta para toda a vida. O esforço compensa: ganha-se em saúde e disposição. O jeito é deixar os pratos gordurosos ou açucarados para momentos especiais. Devem ser exceção, nunca a regra.
 
Dietas milagrosas que surgem diariamente e que sugerem cortes radicais na alimentação chegam a beirar a insanidade e não fazem bem a ninguém. Vão contra todas as recomendações nutricionais que garantem um processo de emagrecimento com saúde.
 
Sare Drogarias é confiável e defende que a prática de atividade físicas deve estar sempre aliada ao plano de emagrecimento. Um bom hábito complementa o outro para gerar bons resultados ao longo do tempo. 
 
 
Por: AgComunicado