Dois novos remédios prometem ajudar pacientes com melanoma


Elas aumentam a sobrevida de pacientes com câncer de pele em estágio avançado

Pacientes com melanoma em estágio avançado (metastático) que tomaram duas drogas experimentais nos Estados  Unidos apresentaram 63% menos de risco de morte em comparação aos pacientes tratados apenas com quimioterapia.

As novas drogas (vemurafenibe e ipilimumabe) agem da seguinte forma:  uma ataca a mutação genética cancerígena que acelera o crescimento do melanoma e a outra fortalece o sistema imunológico do paciente, estimulando o organismo a lutar contra a doença.

O melanoma metastático tem em seu gene uma mutação que permite que as células cancerígenas cresçam. Pelo menos 50% dos melanomas têm esse tipo de mutação.

As duas novas drogas não curam a doença, salvo em casos raros. Porém, elas podem adicionar vários meses à expectativa de vida dos pacientes portadores desse tipo de câncer de pele em estágio avançado. Segundo os médicos oncologistas que participaram do estudo, o efeito foi tão bom que a pesquisa foi interrompida no meio para que os pacientes do grupo de controle também recebessem os medicamentos.

O aumento da sobrevida nos pacientes portadores de melanoma avançado é inédito. Até o momento, os pacientes dessa doença tinham sobrevida de seis a dez meses. Os especialistas dizem que há muito mais a ser feito, já que o melanoma afeta mais jovens adultos que outros tipos de câncer.

As novas drogas trazem um alento novo aos pacientes, já que são novas opções eficazes de tratamentos que estão sendo descobertos. Porém,  os oncologistas lembram que os estudos estão no inicio e que ainda não são conhecidos os efeitos no longo prazo.

Por: AgComunicado