Você sabe a diferença entre os sintomas da dengue e da gripe?


É importante ficar atento aos sinais da doença e evitar a automedicação

O Brasil vive uma das maiores epidemias de dengue de todos os tempos. Entre os meses de janeiro e abril o Ministério da Saúde divulga mais de 795 mil casos de dengue. Em todo o país em épocas mais frias o governo coloca em vigor nos postos de saúde a vacinação contra a gripe, priorizando portadores de doenças crônicas, gestantes, idosos e crianças.

O inverno está chegando, nessa estação é comum resfriados, gripes e por outro lado os hospitais estão repletos de vítimas da dengue. Portanto, é importante diferenciar os sintomas de uma simples gripe e os sinais da dengue.

Médicos ressaltam os riscos da automedicação quando existe a presença da dengue, pois os remédios antigripais são compostos pelo ácido acetilsalicílico responsável por aumentar o risco de hemorragia. Vamos conferir os sintomas da dengue para facilitar a detecção da doença:

  • A dengue não aponta sintomas respiratórios comuns na gripe, como coriza, tosse e espirro;
  • Pessoas com sintomas de dengue sentem fortes dores musculares, nas articulações e nos ossos. Febre alta também é um sintoma característico, podendo durar de 5 a 7 dias;
  • Sonolência, sangramentos pelo nariz, gengivas inchadas, dificuldades para respirar, sede excessiva, boca seca e até confusão mental são também sintomas característicos de quem adquiriu a doença.
  • Fortes dores na cabeça e atrás dos olhos também são comuns em casos de dengue. Especialistas ressaltam que as dores podem amenizar, mas em sequência podem surgir desconfortos abdominais fortes, vômitos e manchas vermelhas na pele.

É importante ressaltar que os sintomas da dengue não necessariamente aparecem todos num só paciente. Cada quadro possui características distintas. Portanto, ao notar qualquer um destes sintomas não opte pela automedicação, compareça até o hospital mais próximo e consulte o especialista.

Aos pacientes que sofrem da doença é importante seguir a orientação médica e principalmente ingerir bastante água para manter o corpo hidratado. É relevante ressaltar a prevenção da dengue que também está ao nosso alcance. Certifique nos locais de seu convívio a presença de água parada em vasos, pneus, garrafas ou qualquer recipiente que possa acumular água e alojar um possível mosquito.

A dengue pode estar onde menos esperamos, previna-se! 

Juliana Rodrigues