Dia Nacional da Saúde traz alerta sobre a resistência microbiana


OMS revela que tratamentos importantes para o HIV e a tuberculose, por exemplo, estão ameaçados

Em 5 de agosto comemorou-se o Dia Nacional da Saúde. A data foi escolhida para homenagear Oswaldo Cruz, importante médico sanitarista nascido em 5 de agosto de 1872, que dedicou sua vida para lutar contra a febre amarela, a varíola e a peste bubônica. Desde 1967, quando foi estabelecida, a data tem como objetivo principal incentivar as  pessoas a adquirirem hábitos de vida mais saudáveis.

Neste ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) escolheu como tema a questão da resistência antimicrobiana, que acontece quando microorganismos - bactérias, vírus, fungos e parasitas – tornam-se resistentes à maior parte dos antibióticos e/ ou tratamentos utilizados.

Segundo a OMS, a resistência antimicrobiana ameaça tratamentos contra o HIV, a malária e a tuberculose, por exemplo. Ela tem tornado ainda mais difícil o tratamento de infecções hospitalares, com o aparecimento das "super bactérias", que elevam o risco de morte de pacientes. O uso indiscriminado de medicamentos, principalmente de antibióticos, tem cooperado – e muito – para o aparecimento destes tipos de bactérias e vírus.

Trabalhando em prol da saúde, no Brasil, a ANVISA já determinou que a venda de antibióticos nas farmácias e drogarias somente pode ser feita mediante a apresentação de duas vias da receita médica: uma fica retida pelo estabelecimento e a outra é devolvida ao paciente.

Portanto, pare e reflita. Tudo começa pela alimentação, prática de exercícios, busca de informação qualificada. Visitas ao médico, exames para ver se tudo está bem – não é muito difícil incorporar a saúde ao dia a dia para viver com mais qualidade. E, principalmente, abandonar o péssimo costume da automedicação.  Se existem os profissionais especializados em saúde, por que arriscar?


Por: AgComunicado