Dia 29 de Agosto: apoio nacional no combate ao fumo!


“Em diagnósticos de doença pulmonar obstrutiva, aterosclerose e câncer parar de fumar só interrompe o dano, mas em geral ficam sequelas”, alerta o oncologista

Por meio dos alertas das organizações de saúde e incentivos governamentais no combate ao tabagismo o número de fumantes em todo o mundo obteve queda. Mesmo com as medidas de alerta, o preocupante é que o câncer de pulmão ainda é a principal causa de morte entre os homens e mulheres, de acordo com a American Cancer Society (ACS). O tumor desenvolvido em casos de câncer de pulmão está entre os poucos que podem ser evitados ao longo da vida. 

Leia também: Câncer de laringe: o perigo de combinar cigarro com bebida alcoólica

No dia 29 de agosto ocorre a conscientização do combate ao fumo em todo o país. No Brasil o consumo de tabaco foi responsável por 200 mil mortes ao ano, informa o Instituto Nacional do Câncer (INCA). 

Substâncias associadas ao câncer

E o alerta vale não somente aos cigarros, adverte o oncologista, Dr. Tiago Kenji: “O narguilé tem risco igual ou maior comparado ao fumo, estudos já comprovaram a relação de seu uso com doenças pulmonares e maior risco com câncer”, alerta o médico. A moda de fumar narguilé invadiu o país em 2008, informa o Ministério da Saúde e predomina até hoje. 

Por utilizar a água para inalar a essência muitos defendiam que o narguilé era inofensivo ao ser comparado com o cigarro, porém o Ministério da Saúde fez alerta de que o narguilé equivale a fumar 100 cigarros, pois a pessoa fica exposta ao fumo em torno de 20 a 80 minutos em média. Sem contar as que fazem o uso diariamente. 

“Qualquer forma de tabaco em combustão libera substâncias tóxicas e cancerígenas. É sabido que o narguilé libera mais nicotina que o tabaco, o que aumenta o risco de vício”, alerta o médico. 

Podemos incluir à lista de substâncias associadas ao câncer: charutos, produtos de tabaco, como o rapé, bastante utilizado nos Estados Unidos e até mesmo os cigarros eletrônicos, muitas vezes consumidos como substitutos dos cigarros convencionais. A ACS afirma que os cigarros eletrônicos também pode oferecer risco à saúde, principalmente o vício, pois possuem na composição nicotina, aromatizantes e inúmeros compostos químicos. Os cigarros eletrônicos não são regulamentados, portanto nenhuma empresa se submeteu aos testes para comprovar se realmente é inofensivo, como sugere as propagandas em torno do produto. 

O cigarro está entre as drogas mais viciantes

A ACS estima que a cada três fumantes, dois tentam parar de fumar pelo menos uma vez no ano, porém são poucos os que conseguem obter sucesso sem nenhum tipo de ajuda. A nicotina pode afetar o comportamento psicológico do indivíduo, causando alterações no humor, insônia e  ansiedade. Em 2012 pesquisadores avaliaram 28 estudos envolvendo pessoas que tinham vícios. Dentre os participantes 18% dos alcoólatras abandonaram a bebida, mais de 40% parou de usar a cocaína e opiáceos e apenas 8% deixaram de fumar. Confira: Luta diária contra o cigarro

De que forma o cigarro afeta a saúde?

Além de aumentar significativamente as chances de câncer de cabeça e pescoço o cigarro é associado a uma série de problemas para a saúde afetando todo o organismo de um modo geral. “Fumar provoca lesões nos órgãos e tem potencial para metástases. O risco é cumulativo, mesmo parando de fumar, o paciente sempre tem uma chance maior de doenças, do que uma pessoa que nunca fumou”, alerta o oncologista. 

ACS lista o risco de algumas complicações entre os fumantes, tais como:

Aumento de risco de perda da gengiva e problemas dentários
Feridas com cicatrização demorada
Aumento dos riscos de diabetes tipo 2
Envelhecimento precoce
Mau hálito e manchas nos dentes
Aumento dos riscos de catarata
Impotência sexual
Enfraquecimento ósseo
Aumenta as chances de desenvolver artrite
Eleva as chances de surgir úlceras pépticas

Como posso me livrar do cigarro?

Atualmente, existem diversos tipos de tratamentos farmacológicos que podem auxiliar no abandono do vício, como adesivos e até goma de mascar. Grupos de apoio antitabagistas também podem auxiliar, o importante é buscar alternativas e procurar motivações importantes para a sua decisão, como a própria saúde. 

Segundo o oncologista para alguns casos os danos causados pelo cigarro são irreversíveis: “Em diagnósticos de doença pulmonar obstrutiva, aterosclerose e câncer parar de fumar só interrompe o dano, mas em geral ficam sequelas.  Quanto maior a exposição ao cigarro, maiores são as chances”, adverte.  

 

Participação do oncologista, Dr. Tiago Kenji

Atua no Hospital Santa Paula

Referências:

http://www.cancer.org/cancer/cancercauses/tobaccocancer/tobacco-related-cancer-fact-sheet
http://www.cancer.org/cancer/cancercauses/tobaccocancer/carcinogens-found-in-tobacco-products] http://www.cancer.org/cancer/cancercauses/tobaccocancer/health-risks-of-smoking-tobacco
http://www.sboc.org.br/ministerio-da-saude-alerta-sobre-os-maleficios-do-narguile/

Juliana Rodrigues