Descobertas em torno do zika vírus em Guiné-Bissau


O vírus zika identificado nessa região não é o mesmo que gerou a epidemia na América Latina

Mesmo diante de tantos problemas enfrentados pelo Brasil, não se pode esquecer do zika vírus e da luta pelo combate do mosquito Aedes aegypti. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) revelou um estudo que indica que o vírus zika identificado em Guiné-Bissau (país da África Ocidental), não é o mesmo presente na América Latina, que gerou epidemia, principalmente no Brasil, trazendo à tona inúmeros casos de microcefalia e outras complicações neurológicas.

De acordo com matéria publicada pelo portal Uol, os resultados de análise genética do vírus zika presente na região Guiné-Bissau, mostraram que os casos são de ascendência africana e não de ascendência asiática do vírus que causou epidemia no Brasil e na América Latina.

A cepa africana encontrada na região Guiné-Bissau não está associada à microcefalia ou a outras complicações neurológicas, mas ainda assim, a Organização Mundial da Saúde ressalta que uma vigilância maior é imprescindível.

De acordo com relatório publicado pelo European Centre for Disease Prevention and Control (Centro Europeu para Controle e Prevenção de Doenças), em 17 de agosto deste ano, a Organização Mundial da Saúde confirmou sete novos casos de infecção pelo zika vírus em Guiné-Bissau e naquele momento especialistas estavam em fase de detecção da cepa do vírus presente na região para uma resposta precisa sobre os casos de infecção encontrados no local.

De acordo com matéria publicada no portal G1, a epidemia do vírus zika continua representando uma emergência de saúde internacional, por conta da contínua expansão geográfica e das dúvidas que ainda se fazem presentes em relação aos efeitos neurológicos que a infecção provoca. A mesma matéria termina enfatizando a importância de que as pesquisas em nível global continuem sendo realizadas para que se obtenham respostas.

A luta contra o mosquito Aedes aegypti e contra o zika vírus continua.

 

FONTES

Cepa do zika identificado em Guiné-Bissau é diferente da América. O Estado de S. Paulo. Jamil Chade: saude.estadao.com.br/noticias/geral,cepa-do-zika-identificado-em-guine-bissau-e-diferente-da-america,10000073633

OMS: vírus da zika de Guiné-Bissau é diferente do encontrado na América. Uol: noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/afp/2016/09/02/oms-virus-da-zika-de-guine-bissau-e-diferente-do-encontrado-na-america.htm

Zika virus disease epidemic. European Centre for Disease Prevention and Control: ecdc.europa.eu/en/publications/Publications/01-08-2016-RRA-eighth-update-Zika%20virus-Americas,%20Caribbean,%20Oceania.pdf

Zika e microcefalia continuam sendo emergência internacional, diz OMS. G1. Bem Estar: g1.globo.com/bemestar/noticia/2016/09/zika-e-microcefalia-continuam-sendo-emergencia-internacional-diz-oms.htm

 

Daiana Barasa