Você tem cuidados especiais para evitar contaminações na manicure?


Saiba como se prevenir

 Por mais corrido que seja o dia a dia da mulher, sempre há tempo para correr até o salão de beleza e fazer as unhas das mãos e dos pés, mesmo que não seja com a regularidade mais desejada. Essa  tarefa feminina, especialmente querida das brasileiras, é prazerosa: é o momento em que se fica à toa, seja lendo uma revista, conversando com as profissionais ou tomando um chazinho. Porém, 
requer atenção quanto à higiene do estabelecimento e dos instrumentos utilizados.
 
A esterilização dos instrumentos profissionais, principalmente alicates, é fundamental para evitar contaminações por vírus, fungos e bactérias que podem ser responsáveis pelo aparecimento de micoses, infecções e até doenças graves como hepatite C e HIV. Na remoção da cutícula, é frequente uma “entradinha a mais do alicate”, que provoca um pequeno sangramento. Porém, mesmo lavando o alicate, certos vírus permanecem no instrumento por até uma semana!
 
Os salões precisam esterilizar os instrumentos durante um período de, pelo menos, duas horas, a uma temperatura de 160 graus, em estufa ou autoclave (esterilizador com vapor de alta pressão), para combater os diferentes tipos de bactéria, vírus ou fungos. O ideal é que cada mulher leve seu próprio kit à manicure, diminuindo assim os riscos de contaminação. 
 
A utilização de objetos como lixas e espátulas pelas profissionais deve ser único, ou seja, precisa haver um descarte após o uso. Não devem ser reaproveitados. Caso seja necessário, converse com a manicure e mostre-se atenta a todos os detalhes.
 
Caso esteja fazendo algum tratamento dermatológico com auxílio de um podólogo, as recomendações são as mesmas quanto a correta higienização dos instrumentos. Os cuidados são básicos e não podem passar despercebidos, pois não trata-se apenas de uma questão estética, mas sim da saúde feminina.
 
Por: AgComunicado