Crianças Podem Crescer sem Sintomas de Autismo


Veja como as crianças autistas podem se desenvolver sem a doença!

Crianças Podem Crescer sem Sintomas de Autismo
 
 
Algumas crianças diagnosticadas com precisão como autistas perdem seus sintomas e seu diagnóstico quando envelhecem, dizem pesquisadores dos Estados Unidos. As conclusões do estudo do National Institutes of Health em 112 crianças parece desafiar a crença amplamente difundida de que o autismo é uma condição para toda a vida. Enquanto não conclusivo, o estudo, do Jornal de Psicologia Infantil e Psiquiatria, sugere que algumas crianças possivelmente poderiam superar o autismo. “Mas exige cuidado em divulgar isso”, dizem os especialistas, “pois muito mais trabalho é necessário para descobrir o que poderia explicar os resultados”.
 
 
A Dra. Deborah Fein e sua equipe, da Universidade de Connecticut, estudaram 34 crianças que tinham sido diagnosticadas com autismo na primeira fase da infância. “Embora o diagnóstico de autismo não seja geralmente perdido ao longo do tempo, os resultados sugerem que há uma vasta gama de resultados possíveis", diz o Dr Thomas Insel, Diretor do Instituto Nacional de Saúde Mental.
 
 
Em testes cognitivos e observacionais, bem como os relatórios das crianças autistas, os resultados eram indistinguíveis de seus colegas normais de sala de aula. Os testes não mostraram nenhum sinal de problemas com linguagem, reconhecimento, comunicação ou interação social entre as crianças. Para comparação, os pesquisadores também estudaram outras 44 crianças da mesma idade, sexo e nível de IQ não verbal, que tinham tido um diagnóstico de autismo de "alto funcionamento" - ou seja, eles foram considerados menos severamente afetados pela sua condição. Para o tratamento somente o medicamento risperidona foi aprovado para tratar a irritabilidade e a agressividade do autismo.
 
 
Verificou-se que as crianças do grupo de resultado ideal - as que não tinham mais reconhecíveis sinais de autismo - tiveram déficits sociais mais suaves do que o grupo de autismo de alto funcionamento na infância, embora eles tivessem outros sintomas de autismo, como comportamentos repetitivos e problemas de comunicação, que foram tão graves.
 
Henrique Torres