Controlar o sódio na alimentação é fundamental para a saúde do coração


Substituir o sal é garantia de longevidade.

 
Para ajudar no combate as doenças crônicas como hipertensão e doenças cardiovasculares, um acordo do Ministério da Saúde com a indústria alimentícia, prevê a redução de sódio em diversos alimentos no Brasil. Com foco nos produtos mais consumidos pelo público infanto-juvenil, como: pão francês, bolos prontos, batatas fritas, salgadinhos de milho, biscoitos, essa redução define o teor máximo de sódio a cada 100 gramas nesses alimentos industrializados.
 
Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, em 2010, pacientes com problemas de hipertensão, chegaram a 23,3% de brasileiros. Especialistas acreditam que esse número aumentou, devido o alto consumo de sódio. Sem contar que, o diagnóstico pode se tornar mais frequente conforme a idade avança, pois de acordo com uma pesquisa realizada na Universidade de São Paulo (USP), 50% de pessoas, com idade entre 50 e 55 anos, apresentam maiores incidências de pressão alta. 
 
Pacientes com doenças coronarianas e dificuldades no controle das altas taxas de colesterol e triglicérides no sangue, podem utilizar no tratamento o medicamento Sinvastatina, indicado para diminuir os altos níveis de colesterol e diminuir o risco de morte pela doença coronariana, como infarto, AVC ou ataques isquêmicos. 
 
Presente em muitos alimentos, a principal fonte de sódio é o sal de cozinha. Que pode ser encontrado tanto em alimentos naturais como industrializados. A principal preocupação dos especialistas, é a falta de hábito das pessoas, de ler os rótulos das embalagens, por estar presente em diversos alimentos, o mineral acaba se tornando uma ameaça para a saúde do organismo. 
 
O excesso de sal favorece a retenção de líquidos e inchaços, por isso a Organização Mundial de Saúde coloca o sódio entre as substâncias que precisam ser reduzidas na alimentação. O controle do consumo de sódio, pode evitar que a pressão arterial e o colesterol ruim suba a níveis altíssimos, por isso os médicos recomendam a redução do sal à pacientes hipertensos, considerando o consumo diário ideal o equivalente a uma colher de sobremesa (4g). 
 
Um estudo realizado na Universidade de Harvard que analisou durante 15 anos um grupo de voluntários, constatou que os indivíduos que substituíram o sal ou que apresentaram um declínio no consumo de sódio, aumentaram sua proteção contra doenças cardiovasculares, cerca de, 25%.
 
No preparo dos alimentos, o sal pode ser substituído por ervas, que possuem substâncias de ação antioxidante e contribuem para o bom funcionamento do organismo.