Conheça os riscos da Esteatose Hepática

A A A
10/07/2013 - Autor:
De acordo com a Sociedade Brasileira de Hepatologia, cerca de 20% da população brasileira tem problemas com gordura excessiva no fígado.  Esse índice de esteatose hepática tende a aumentar nos próximos anos, pois o consumo excessivo de álcool e carboidratos, é um dos pontos agravantes do problema. 
 
No caso das pessoas que sofrem com a obesidade e diabetes, a esteatose hepática apresenta frequência de 70% e com o acúmulo de gordura, pode comprometer o bom funcionamento do aparelho digestivo. Os sintomas que podem indicar esse acúmulo de gordura são:
 
- Vômito;
- Enjôo;
- Dores de cabeça frequentes
- Olhos e pele amarelados
- Falta de apetite
- Dores abdominais do lado direito
 
O acúmulo de gordura no fígado pode ser diagnosticado em dois tipos: esteatose hepática, procedente de dietas e a esteato-hepatite, que apresenta sinais de inflamação hepática. Vale ressaltar que nestes dois casos, os sintomas que diferenciam uma doença da outra não são excessivos, por isso é importante ficar atento aos sinais de cansaço, fraqueza e dores no corpo. 
 
A esteatose hepática pode ocorrer após cirurgias abdominais (como retiradas de partes do intestino), em obesos, em diabéticos, em pessoas com altos índices de colesterol, em casos de desnutrição ou rápida perda de grande quantidade de peso. 
 
O tratamento para a gordura no fígado consiste em mudanças nos hábitos alimentares, com um programa de redução de peso, composto por uma dieta saudável e balanceada, acompanhada por um especialista e com atividades físicas regulares. No caso de diabéticos, é necessário manter um controle dos níveis de glicose no sangue. Para evitar este transtorno e conquistar uma qualidade de vida, o mais recomendado é não ingerir álcool em excesso, evitar doces, gorduras e alimentos saturados.