Conheça os Resultados do Estudo Relacionando Ácido Fólico e Autismo


Veja alguns dados realçados no estudo sobre o autismo

Abaixo estão alguns dados realçados no estudo sobre o autismo de Pal Surén, médico do Instituto norueguês de saúde pública da Noruega:

 

 

0.32% (270) das crianças eventualmente foram diagnosticados com autismo;

 

 

Daqueles diagnosticados com transtorno, 114 tinha um transtorno autista, 56 tinha síndrome de Asperger, e 100 tinham transtorno não especificado (PDD-NOS).

 

 

Um risco inverso foi encontrado entre o uso de ácido fólico antes e durante a gravidez precoce e posteriormente ser diagnosticado com um transtorno de autismo.

 

 

0,10% das crianças cujas mães tomaram ácido fólico quatro semanas antes e durante as primeiras oito semanas de gravidez, eventualmente foram diagnosticadas com um transtorno de autismo.

 

 

0.21% das crianças cujas mães não tomaram ácido fólico durante esses períodos eventualmente foram diagnosticados com um transtorno de Autismo.

 

 

As mães que tomaram suplementos de ácido fólico durante o período de foco eram mais propensas a ser:

 

 

1.            Mães não fumantes;

2.            Mães De peso normal - IMC (índice de massa corporal) de menos de 25 antes da gravidez;

3.            Mães pela primeira vez;

4.            Mães com uma gravidez planejada;

5.            Mães Diplomadas do ensino superior.

 

 

Os pesquisadores concluíram em um resumo: "Nossa principal conclusão era que uso materno de suplementos de ácido fólico na época da concepção estava associado a um menor risco de transtorno autista. Este achado não estabelece uma relação causal entre o uso de ácido fólico e transtorno autista, mas fornece uma base racional para replicar as análises em outras amostras de estudo e investigar ainda mais fatores genéticos e outros mecanismos biológicos que podem explicar a associação inversa". Os remédios inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRSs), como o Prozac pode ser receitado para controlar a ansiedade.

 

 

 

O potencial de um suplemento nutricional reduzir o risco de transtorno autista é provocante e deve ser confirmado em outras populações.

Henrique Torres