Conheça a síndrome de Prader Willi


Um dos sintomas mais marcantes do problema é a obesidade logo na infância

A síndrome de Prader Willi foi descrita em 1956. Este problema localiza-se no cromossomo 15. Pode afetar tanto o sexo feminino quanto o masculino. A descoberta precoce da doença, ajuda a melhorar a qualidade de vida do portador. Mas mesmo quando o problema é identificado tardiamente, com os cuidados e devido tratamento, também é possível que a pessoa tenha melhor qualidade de vida.

Os sintomas da síndrome de Prader Willi variam de pessoa para pessoa e também estão relacionados com fatores ambientais.

Alguns deste sintomas são:

• Hiperfagia – Quem sofre da síndrome apresenta constante sensação de fome, que pode surgir com força entre os dois e cinco anos de idade, levando à obesidade infantil.
• Hipotonia – Pode ocorrer atraso nas fases de desenvolvimento psicomotor. A criança pode encontrar dificuldades com o equilíbrio, com a escrita, com alguns movimentos etc.
• Pode apresentar problemas de aprendizagem e fala.
• A criança também pode demonstrar instabilidade emocional e dificuldade em interações sociais.
• Mãos e pés pequenos.
• Alterações hormonais e atraso no desenvolvimento sexual.
• Olhos com formato amendoado e estrabismo.
• Pele mais clara que os pais.
• Diminuição da sensibilidade à dor

A obesidade é resultado do consumo de muitas calorias e dessa fome constante que a criança sente. Essa fome excessiva é consequência de alterações na região cerebral do hipotálamo, em que o mecanismo de saciedade é afetado, ou seja, não existe a sensação de satisfação. 

Pessoas que sofrem com este problema necessitam de acompanhamento médico especializado. A supervisão em relação à alimentação é fundamental, os cuidados são imprescindíveis. Mesmo se o problema for descoberto tardiamente, não é fácil para a pessoa mesmo consciente do problema de saúde, controlar a fome excessiva, já que é resultado de uma alteração no mecanismo cerebral, por isso, o tratamento médico é tão essencial, assim como o apoio dos familiares e do ambiente educacional.

Fonte

Síndrome de Prader Willi. Fiocruz – Fundação Oswaldo Cruz.

 

 

Daiana Barasa