Como despertar o interesse das crianças por alimentos saudáveis?


Nutricionista aponta dicas para tornar a alimentação infantil mais nutritiva

O que as crianças mais gostam de comer? Salsichas, nuggets, batata frita e afins ocupam espaço na lista de preferências desse público, mas quando o assunto é nutrição, será que as crianças estão consumindo a quantidade ideal de fibras e vitaminais necessárias para o seu desenvolvimento saudável?

Leia também: A rotina alimentar e do brincar devem fazer parte da vida da criança

Estudo realizado nos Estados Unidos revelou que apenas 22% das crianças entre os 2 e 5 anos comem a quantidade ideal de verduras, legumes e frutas durante as refeições. Quando crescem a ausência de nutrientes pode aumentar, pois somente 11% entre os 12 e 18 anos inseriram os alimentos importantes em quantidade recomendada. 

Como incentivar desde cedo a ter uma alimentação melhor?

A nutricionista materno-infantil, Karine Durães, explica que nos primeiros anos de vida é comum a criança apresentar rejeição a determinados alimentos, principalmente as verduras e frutas, por possuírem um sabor mais amargo ou azedo. Porém algumas mudanças de hábitos e inserções podem ser praticadas desde a tenra idade. 

“A mãe ou cuidador costuma colocar a criança no cadeirão e oferecer aquela sopinha bem triturada na boca. Dificilmente a criança se suja, possui contato com o alimento. É preciso permitir que a criança explore os alimentos durante as refeições, para que ela tenha sensações e os conheça”, recomenda. 

Segundo a médica forçar a criança a comer não soluciona a nutrição e pode gerar problema, como aumento da rejeição ou até mesmo a obesidade, pois os mecanismos de saciedade serão alterados. “É muito importante respeitar esse ciclo e saber que ela vai comer uma quantidade pouca e o suficiente para se manter bem ao longo do dia”, acrescenta. 

A má alimentação da criança pode afetar gerando desde a obesidade até problemas cognitivos

A especialista aponta que a  criança pode de repente não almoçar, mas ela janta. O importante é deixa-la com fome e conscientizar de que as refeições, como almoço e janta, são importantes. Quando a criança rejeita algum alimento ou diz não gostar, a médica sugere oferecer pedaços bem pequenos, para que ela aceite e se habitue com o sabor. Comente dos valores nutricionais e o quanto aquele alimento é importante para a saúde. 

Refeição em família é um comportamento saudável

Essas situações podem estimular a criança a adotar hábitos mais saudáveis, a experimentar novos alimentos. “A criança costuma se interessar pelo o que o adulto está comendo. Esse hábito funciona como um estímulo, para que ela perceba que o brócolis, a couve, podem ser bastante saborosos”, explica a nutricionista. 

A médica sugere pedir para um coleguinha maior comer o alimento quando a criança tem rejeição. “Se ela comer parabenize, mas nunca ofereça recompensas, adverte”.  Oferecer chocolates, balas ou situações que a criança goste por ela ter experimentado ou se alimentado durante a refeição é um comportamento prejudicial, pois desde cedo precisa aprender que os nutrientes são essenciais, e não comer por interesse ou algum tipo de chantagem, adverte a especialista.  

 

                                           

                         Meu filho não quer comer nada, e agora?

Os pais se preocupam quando a criança está nessa situação negando todas as refeições, apenas querendo tomar o achocolatado, o pão com o creme de avelã, mas refeições mesmo, que são essenciais, nada! A médica sugere nessaes casos não forçar e principalmente, não oferecer opções para ela. Leia: Seu filho é alérgico ao leite de vaca? Saiba o que fazer

“Estabeleça horários, a criança não vai morrer de fome, então se daqui a uma hora ela pedir ofereça a comida novamente, fala pra ela o horário da comida, que tem o dia certo para os outros alimentos”, recomenda a nutricionista. 

Peça ajuda para o preparo dos pratos e seja também um exemplo

Se a criança for maior você pode pedir para que ela te ajude a preparar um bolo, uma torta ou mesmo o prato predileto dela. O contato com os alimentos é importante na infância. “É saudável enxergar a comida como um nutriente. O pai precisar ter hábitos positivos para que o filho se espelhe, incentivado a também gostar dos alimentos saudáveis e principalmente, saber que eles são essenciais para a saúde”, orienta. 

 

Participação da nutricionista materno-infantil, Karine Durães

Congresso: Alimentação e hábitos saudáveis na infância

 

Referências:

http://hypescience.com/10-dicas-para-fazer-seus-filhos-comerem-vegetais/

Juliana Rodrigues