Combinação de remédios pode oferecer riscos


Mistura de medicamentos pode aumentar o risco de morte e de deterioração de funções cerebrais

Um estudo conduzido pela Universidade de Anglia com 13 mil pessoas de 65 anos ou mais mostrou que a combinação de remédios utilizados no combate a problemas cardíacos, depressão e alergias pode elevar o risco de deterioração de funções cerebrais e de morte em pacientes idosos. Uma parte dos indivíduos com mais de 65 anos fazem uso combinado de tais medicamentos.

O foco do estudo foram os efeitos colaterais dos remédios sobre a acetilcolina, que é produzida no cérebro e que tem função fundamental para o sistema nervoso, já que é uma substância neurotransmissora. Muitos remédios, quando ingeridos simultaneamente, podem afetar o funcionamento dessa substância. A pesquisa, no entanto, ainda não trouxe resultados conclusivos sobre a interação dos medicamentos como causa de morte ou de redução das funções cerebrais.

Independentemente da idade do paciente, é importante destacar que apenas o médico deve prescrever remédios. Os pacientes devem seguir os tratamentos à risca, inclusive obedecendo aos horários de tomada. Há perigos inimagináveis na mistura de medicações por conta própria, mesmo aqueles que parecem seguros e comuns. Só o médico pode saber quais medicamentos podem ter interações com outros, posologia, e duração do tratamento, entre outros aspectos que o paciente não se dá conta. Existem pessoas com restrição a certos componentes, remédios que causam reações quando tomados com outros e até substâncias que agravam ou mascaram doenças. Os perigos da automedicação envolvem, inclusive, os medicamentos de venda livre, ditos “inofensivos”. Muitas intoxicações são decorrentes do mau uso combinado de remédios.

Certas misturas podem trazer sérios riscos à saúde, como quando se combina por conta própria antiácidos e antibióticos, remédios para emagrecer e antidepressivos, corticoides e antiinflamatórios, ansiolíticos e álcool... A lista é longa. Por isso, jamais use ou combine medicamentos sem prescrição médica.

Por: AgComunicado