Clamídia pode levar à infertilidade


Uso de preservativo, idas periódicas ao ginecologista e diminuição no número de parceiros previnem a doença

São várias as doenças causadas pela clamídia, bactéria conhecida por provocar infecções, principalmente, nos genitais. Mas ela não para por aí. Pode trazer danos à visão (tracoma), comprometer os pulmões (pneumonia), os gânglios (linforreticulose benigna) e as mucosas (uretrites).  

É uma doença sexualmente transmissível (DST). Pode tanto ser assintomática como provocar diferentes sintomas em homens e mulheres. Nos primeiros, pode causar dor ao urinar, secreção fluida, inflamações nos testículos ou anal, artrite reativa e estreitamento da uretra. Nas mulheres, as complicações podem ser graves, como a infertilidade e a gravidez tubária (trompas), além de fortes dores na pelve, dor ao urinar, febre, dores abdominais, sangramentos fora do período menstrual, dor durante a relação sexual e feridas nos genitais.  

Esta bactéria danifica muito mais a saúde das mulheres do que a dos homens, especialmente entre os 18 e 25 anos de idade. A transmissão se dá principalmente através do contato com secreções ou feridas da pessoa contaminada, ejaculação, ou de mãe para filho (transmissão vertical). A clamídia não se transmite por meio de objetos como assentos de banheiro.

Para fazer o diagnóstico é preciso coletar e examinar as secreções (nas mulheres) ou  urina (nos homens). O tratamento medicamentoso inclui o uso de antibióticos. É importante seguir corretamente as instruções do médico para evitar que a bactéria se torne resistente ao medicamento. Um bebê contaminado pela mãe pode nascer com doenças como conjuntivite e/ou pneumonia. Existe a possibilidade de que nasça antes do tempo, com peso abaixo do normal.

A contaminação pode ser evitada usando preservativo nas relações sexuais. É importante saber que a transmissão não se dá, necessariamente, pela ejaculação, mas pelo contato com secreções ou feridas. Em geral, os médicos costumam tratar tanto o paciente como o parceiro.  

Por: AgComunicado