Caxumba: tratamento inclui repouso e medicamentos analgésicos


Doença pode provocar complicações em adultos

A parotidite infecciosa, mais conhecida no Brasil como caxumba, é popularmente chamada de “papeira” em Portugal, por conta do inchaço característico no rosto. A doença é causada por um  vírus - da família Paramyxoviridae, gênero Rubulavírus. A primavera é a sua estação preferida. Entre os sintomas estão o aumento do volume das glândulas salivares, geralmente as parótidas e, às vezes, as glândulas sublinguais ou submandibulares. Febre, dores no corpo ou dor de cabeça são outros sintomas característicos.

Entretanto, em alguns casos a doença pode não apresentar nenhum sintoma. Em pessoas adultas, a caxumba é mais severa e podem ocorrer complicações como a inflamação nos testículos nos homens adultos; nas mulheres, pode ocorrer a inflamação dos ovários.  O sistema nervoso central pode ser comprometido, sem deixar sequelas. Em casos mais raros, pode ocorrer a encefalite e a pancreatite.

A transmissão ocorre por via aérea, pelo contato direto com gotas de saliva do doente contendo o vírus. O período de incubação leva de 12 a 15 dias e a transmissão varia entre 6 e 7 dias antes dos primeiros sintomas, e até 9 dias depois das doença se manifestar.

Em geral, o diagnostico é feito através de avaliação clínica, sem a necessidade de realizar exames laboratoriais. Não há um tratamento específico, mas é necessário repousar e o uso de medicamentos analgésicos ajuda a aliviar os sintomas. Estar atento ao aparecimento de eventuais complicações é  importante.

A melhor forma de se prevenir contra a caxumba é tomar a vacina tríplice, que protege também contra o sarampo e a rubéola. A primeira dose é dada aos 12 meses de idade, e a segunda, entre os 4 e 6 anos.

Antes de engravidar, verifique se sua carteirinha de vacinas está em dia. Mulheres grávidas, acometidas pela caxumba durante o primeiro trimestre da gestação, podem sofrer aborto espontâneo.  

Por: AgComunicado