Câncer colorretal é mais frequente após os 50 anos


Os sintomas geralmente são tardios e exames de rotina facilitam o diagnóstico precoce

O intestino grosso é a parte final do tubo digestivo, dividido em ceco, cólon e reto. Em algumas pessoas, pode ocorrer o desenvolvimento de pólipos – pequenos nódulos benignos – nas células que revestem o órgão. No entanto, estes pólipos, aparentemente inofensivos, eventualmente podem sofrer transformações e tornarem-se carcinomas, ou seja, tumores malignos.

O câncer colorretal, também chamado de câncer de cólon e reto, acomete tanto homens quanto mulheres, e é um dos tipos com maior incidência em todo o mundo. A princípio, o surgimento de pólipos não provocam sintomas, mas à medida que há progressão para um tumor, as alterações no organismo tornam-se mais perceptíveis. Sintomas como ritmo intestinal desregulado, dores abdominais, presença de sangue nas fezes e dor ao evacuar podem indicar a presença da doença.

A principal recomendação dos especialistas para rastrear o câncer colorretal é a visita ao médico especialista (coloproctologista), principalmente após os 50 anos, para realizar exames que indiquem como o órgão está funcionando, assim como forneçam dados sobre sua aparência. A colonoscopia é o exame que faz um estudo endoscópico do intestino grosso. O procedimento é feito sob sedação e o paciente deve seguir uma dieta específica, com utilização de laxante antes do exame para preparar o intestino e possibilitar a visualização.

Confirmada a presença de carcinoma no diagnóstico, inicia-se o tratamento multidisciplinar, que pode envolver cirurgia, quimioterapia e  radioterapia. Cada caso é tratado de maneira específica e não necessariamente todos estes procedimentos terão que ser seguidos. A equipe médica define o tratamento mais indicado para cada paciente.

É necessário acompanhamento médico e a utilização de medicamentos que diminuem a possibilidade de volta do tumor. As chances do tratamento ser bem sucedido são grandes, e quanto mais cedo se descobre a doença, melhor.

Por: AgComunicado