Calendário infantil de vacinação deve ser seguido rigorosamente


OMS divulga que mais de 22 milhões de crianças no mundo não receberam as vacinas básicas em 2011.

 Através das diversas campanhas de conscientização, chega à população a informação de que a vacinação é a maneira mais eficaz de prevenir doenças durante toda a vida, desde o nascimento até a terceira idade. No entanto, mais de 22 milhões de crianças no mundo não receberam as doses das vacinas básicas em 2011, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Entre elas constam as três doses contra difteria, tétano e coqueluche, fundamentais durante o primeiro ano de vida. O levantamento aponta que metade dessas crianças não vacinadas vivem na Índia, Indonésia e Nigéria e que, devido à insuficiência no fornecimento e à falta de acesso das populações mais vulneráveis, os pequenos acabam não sendo imunizados. 
 
Diante desta situação e levando em conta o objetivo da OMS de diminuir a taxa de mortalidade de menores de 5 anos até 2015, o cidadão deve estar atento às divulgações das campanhas e ao calendário de vacinação, que corresponde ao conjunto de vacinas prioritárias no Brasil. Crianças, adolescentes e adultos precisam comparecer aos postos de saúde nos períodos da campanha e se imunizar com as vacinas previstas para o período vigente. 
 
Os calendários de vacinação são divididos de acordo com a faixa etária: para crianças (ao nascer até os 10 anos), adolescentes (dos 11 aos 19 anos), adultos e idosos (dos 20 aos 60 anos ou mais). Existe também um calendário específico para as populações indígenas.
 
A fase mais delicada é a da infância, principalmente o primeiro ano de vida. A quantidade de vacinas e reforços é grande, tornando difícil o acompanhamento sem auxílio de um profissional da saúde. Sendo assim, os pais não devem hesitar em procurar esclarecimentos nos postos de saúde quanto ao cumprimento de todas as vacinas e garantir que os filhos sejam imunizados contra doenças como a poliomelite (ou paralisia infantil), meningite, tuberculose, diarreia por rotavírus, sarampo, caxumba, rubéola, entre outras. Manter a carteirinha de cada um em dia é fundamental para protegê-los.
 
Por: AgComunicado