Cálcio e vitamina D ajudam a diminuir a dor?


Veja os resultados do estudo!

 
 
As mulheres mais velhas que buscam uma cura para os inchados e as dores nas articulações provavelmente vão achar que tomar suplementos de cálcio e vitamina D não vai reduzir a gravidade de sua condição, um novo estudo revela.
 
 
Os pesquisadores analisaram dados de mais de 1.900 mulheres na pós-menopausa nos Estados Unidos, que foram selecionadas aleatoriamente para receber ou carbonato de cálcio com vitamina D3 por dia ou um placebo inativo.
 
 
Os dois grupos de mulheres tinham níveis semelhantes de dor e inchaço das articulações, no início do período do estudo, os investigadores encontraram os resultados dois anos mais tarde, ao final do estudo. "Os sintomas corriqueiros são relativamente comuns em mulheres na pós-menopausa", disse o investigador principal, o Dr. Rowan Chlebowski e seus colegas do Instituto de Pesquisa Los Angeles Biomedical no Harbor-UCLA Medical Center. 
 
 
"No entanto, a suplementação diária com 1.000 miligramas de carbonato de cálcio e 400 unidades internacionais de vitamina D3, em um ambiente de ensaio clínico randomizado e controlado por placebo, não reduziu a frequência de ou a gravidade dos sintomas articulares nas mulheres, segundo os seus próprios relatos".
 
 
Os resultados não contradizem as recomendações atuais para ingestão de vitamina D para a saúde dos ossos e redução do risco de fratura, disseram os autores do estudo. O estudo foi programado para ser publicado no Jornal da Academia de Nutrição e Dietética. Pesquisas anteriores que olharam como os níveis de vitamina D e baixo nível de cálcio afetam a saúde das articulações encontraram resultados mistos.
 
 
Alguns medicamentos são fabricados com estes dois compostos, e utilizados para outros tratamentos, um exemplo é o medicamento Caldê, que contém Carbonato de cálcio (equivalente a 600 mg de cálcio) e 1500 mg (150%) de Colecalciferol, ou seja, vitamina D3.
 
 
Caldê é um medicamento indicado no tratamento de processos nos quais esteja indicado um aporte de cálcio, tais como prevenção da osteoporose, tireotoxicose, hipoparatireoidismo, osteomalacia e raquitismo.
 
 
Nos tratamentos de estados carências de cálcio ou nos quais as necessidades deste mineral estejam aumentadas. - No tratamento de estados carências de vitamina D em doentes que necessitam de um aporte de cálcio.
Henrique Torres