Café é preferência nacional


Consumo tende a crescer; são vários os benefícios.

 

O tradicional cafezinho é unanimidade entre os brasileiros, seja para dar aquele pique de manhã ou para manter o costume de apreciá-lo após o almoço. É considerado a segunda bebida mais consumida no Brasil, ficando atrás apenas da água. Além disso, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Café (ABIC), a expectativa de aumento na produção do grão em 2012 é de 3,5%, fazendo com que mais pessoas o consumam no dia a dia. 
 
Por ser uma grande preferência nacional, o café é alvo de diversos estudos relacionados à saúde e os resultados mostram que os benefícios são inúmeros quando o consumo é moderado – de três a quatro xícaras por dia – com efeitos estimulantes sobre o sistema nervoso, aumento da concentração e da memória no curto e médio prazos.  
 
Segundos estudos de especialistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o café é recomendado para todas as idades. Pode atuar na prevenção de diversas doenças como o câncer de cólon de útero e fígado, diabetes tipo II, Parkinson, Alzheimer e depressão. Tais efeitos são causados principalmente por sua ação antioxidante, porém não devem ser associados à cura, e sim à prevenção ou retardamento das doenças, visto que o café não é um remédio e o médico deve ser sempre consultado quando quaisquer sintomas estiverem presentes. 
 
Os problemas cardiovasculares também são reduzidos com o consumo do café, apontam pesquisadores noruegueses. Após acompanharem por 15 anos 27 mil mulheres de 55 a 69 anos, eles descobriram que aquelas que ingeriram de uma a três xícaras de café por dia apresentaram redução de 24% no desenvolvimento de doenças do coração em relação àquelas que não o consumiram. 
 
Vale ressaltar que estes benefícios não são cumulativos; portanto, não adianta exceder a quantidade de xícaras por dia – o máximo são quatro. É recomendável o auxílio de um nutricionista para indicar as melhores maneiras de inserir o café na dieta, para que os resultados sejam ainda mais positivos. 
 
Por: AgComunicado