Botulismo: atenção redobrada aos alimentos em conserva


Intoxicação alimentar pode ser deflagrada pela ação da bactéria Clostridium botulinum

O botulismo é uma forma de intoxicação alimentar resultante da ação de uma potente toxina produzida pela bactéria Clostridium botulinum, que produz esporos resistentes encontrados, em sua maioria, no solo e em alimentos contaminados.
 
O consumo de alimentos como o palmito, picles, salsicha, presunto e queijos deve receber atenção redobrada pois são os que mais apresentam riscos quanto ao modo de conservação.
 
Os principais sintomas que a pessoa com botulismo apresenta são tontura, visão dupla,  aversão à luz, intestino preso e dificuldade para urinar. Conforme a intoxicação evolui, compromete-se o sistema nervoso e há dificuldade para engolir, falar e se locomover. O estágio mais grave da doença, e também o mais raro, é a paralisia dos músculos respiratórios, que pode ser fatal.
 
Para o diagnóstico correto quanto à intoxicação, é necessária saber sobre os alimentos consumidos pela pessoa  e a possível ocorrência de uma mesma intoxicação em pessoas próximas, que possam ter ingerido os mesmos alimentos contaminados.
 
Uma outra forma de contaminação pelo botulismo são os ferimentos. Úlceras crônicas, fissuras ou cicatrizes profundas devem ser investigadas quando não se detecta o consumo de  alimentos possivelmente contaminados.
 
O processo de recuperação do paciente com botulismo é lento, sendo necessária a internação hospitalar para controle das possíveis complicações e acompanhamento de como o sistema imunológico reage para eliminar a toxina. O uso de medicamentos antibióticos não se mostram eficazes para reverter o quadro, porém a aplicação do soro antibotulínico pode evitar que a toxina em circulação no sangue atinja o sistema nervoso.
 
Especialistas recomendam a boa higienização dos alimentos, sendo necessário ferver alguns deles  que se encontram em versão enlatadas como o palmito, a salsicha, entre outros. Essas medidas contribuem para a destruição das toxinas liberadas pela bactéria que causa o botulismo.
 
Por: AgComunicado