Benefícios e Riscos da Cirurgia de Obesidade


Entenda como a cirurgia de obesidade pode influenciar sua vida.

Para empreender uma cirurgia de tal envergadura, é preciso reunir vários critérios, definidos pela HAS em suas recomendações. O coletivo nacional das associações de obesos insiste sobre a importância do centro onde se realizará a operação: “Conseguir emagrecer é algo baseado sobre as competências do cirurgião em 10%. Quanto ao restante, o paciente e a equipe pluridisciplinar são os atores ativos responsáveis pela eficácia da perda de peso. Sem uma adesão total e ativa do paciente, sem uma eficiência da equipe, o percurso será frequentemente fracassado.

 

A perda de peso é rápida: “Em média, de 30 à 40% do excesso de peso no primeiro mês que segue-se a intervenção e, no total, de 50 à 70%”, explica o professor Nocca.

 

Na prática, distinguem-se três grandes tipos de operação. A primeira é a inserção de um anel gástrico, localizado suficientemente alto no estomago para criar um tipo de antecâmara. Este anel dá uma impressão de saciedade quando preenchido.

 

Há também o Bypass, que consiste em causar um curto circuito na maior parte do estômago. A operação é acompanha duma perda de 35 à 40 quilos, mas comporta a mais forte mortalidade e importantes constrangimentos à vida. Enfim, a operação mais frequente é a gastrectomia, que consiste em retirar dois terços do estomago. A perda de peso é de aproximadamente 25 à 35 quilos, mas esta técnica, como a anterior, é irreversível.

 

Mas a mortalidade e as complicações cirúrgicas não são os únicos riscos da cirurgia bariátrica. “Há riscos de carências nutricionais”, aponta o Doutor Laurent Chevalier, médico em Montpellier, um pouco inquieto com a evolução destas práticas: “Não é preciso permanecer obeso, todo mundo concorda com isso, mas a cirurgia está ficando acima do médico, quando deveria ser o inverno”.

Henrique Torres