Benefícios da Terapia Intensiva para pacientes com diabetes tipo 1


Pacientes com Diabetes tipo 1 em terapia intensiva a longo prazo são mais propensos a alcançar níveis normais de glicose no sangue.

 
Pacientes com Diabetes tipo 1 em terapia intensiva a longo prazo são mais propensos a alcançar níveis normais de glicose no sangue, assim como um risco significativamente menor de desenvolver doenças cardíacas, acidente vascular cerebral, problemas renais e doença ocular grave, pesquisadores do Massachusetts General Hospital Diabetes Center, em Boston informaram. 
 
 
Os pesquisadores, do Diabetes Control and Complications Trial (DCCT), financiados pelo NIH (National Institutes of Health), em seu estudo de acompanhamento, EDIC (Epidemiologia das Intervenções Diabetes e Complicações), deram uma visão geral do resultados deste estudo de referência, três décadas após o seu lançamento.
 
 
O Diabetes Control and Complications Trial (DCCT) começou em 1983. Ele mostrou que em comparação com a terapia convencional, a terapia intensiva foi muito mais eficaz na obtenção de níveis quase normais de açúcar no sangue, bem como para minimizar o risco de complicações. Alcançar um bom controle da glicemia foi possível graças:
 
 
Terapia com bomba de insulina;
 
 
(Ou) injeções de insulina frequentes.
 
 
O Auto-monitoramento dos níveis de glicose no sangue com foram testados várias vezes ao dia.
 
 
Em comparação com a terapia convencional, a terapia intensiva reduziu as complicações e a incidência ou a severidade dos sintomas da fase inicial nos olhos, rins e nervos em até 76%.
 
 
O co-presidente, David M. Nathan, diretor do Massachusetts General Hospital Diabetes Center, em Boston, disse: "Com base nestes resultados, a terapia intensiva do Diabetes Control and Complications Trial (DCCT) foi aprovada em todo o mundo como o padrão da terapia para a diabetes do tipo 1".
 
 
Enquanto estava claro que os resultados do Diabetes Control and Complications Trial (DCCT) eram "dramáticos", não houve medições precisas para a redução das consequências em longo prazo relacionadas com a diabetes do tipo 1, incluindo cegueira, insuficiência renal, doenças do coração e amputações.
 
 
Para responder a essas perguntas, os pesquisadores conduziram um acompanhamento do DCCT ao longo das duas últimas décadas. Pelo menos 95% dos 1.441 participantes originais foram monitorados regularmente.
 
 
A terapia intensiva de longo prazo reduziu o risco de graves etapas com risco de doença ocular diabética em 50%. Houve também uma redução significativa no risco de pacientes que necessitam de cirurgia e procedimentos no olho.
 
 
Lloyd Aiello, do Centro de Diabetes Joslin, em Lanham, Maryland, que também é pesquisador, disse: "Embora tenhamos meios de tratamento de doença ocular grave, para evitar a perda da visão, é sempre melhor reduzir o seu desenvolvimento em primeiro lugar, a fim de evitar a necessidade de terapias de fase final e apenas parcialmente eficazes. A terapia de diabetes Intensiva eficazmente realiza este objetivo".
 
Henrique Torres