Automedicação sem prescrição médica pode ser arriscado


Nem sempre se prevenir por conta própria é a melhor solução

Autor:        Agência Comunicado


Fonte:      Jornal Zero Hora e Jornal de Barretos

Com a chegada do inverno, a propensão de ter doenças alérgicas e respiratórias é grande. O cuidado com as crianças deve ser redobrado e a atenção nos medicamentos também. Com a correria do dia a dia, às vezes, ir ao médico pode ser difícil. E com isso, muitas pessoas acabam optando por se prevenir por conta própria. Se automedicar é um risco para todos, independente da idade. A maioria das pessoas, quando está com crises de espirro ou tosse vai direto à farmácia em busca de um alívio imediato e acabam levando remédios por conta própria. Esses medicamentos possuem composições variadas, podendo conter solução hipertônica de açúcar ou ainda substâncias que agem no sistema nervoso, inibindo o reflexo da tosse. Há ainda xaropes que possuem em suas fórmulas corticoides e broncodilatadores e a maioria deles contém aromatizantes e corantes.
E é preciso ter cuidado. A automedicação é definida como o uso de medicamentos sem prescrição médica e usar xarope, por exemplo, para sanar uma tosse pode mascarar a patologia. E o que seria fácil acaba sendo complicado.

A recomendação é de evitar tomar qualquer tipo de remédio sem a orientação médica. Caso tenha tosse persistente, procure um especialista e siga as orientações recomendadas, pois só um estudo individualizado poderá revelar a causa, possibilitando um diagnóstico precoce e tratamento correto.

Cuidado redobrado com gestantes e crianças

Para aliviar o desconforto de alguns sintomas durante a gestação, muitas mulheres optam por se automedicar e se esquecem dos riscos que isso traz para a saúde da mãe e principalmente do feto, que ainda não tem capacidade de metabolizar as substâncias ingeridas pela mãe, pois não possui os sistemas corporais plenamente desenvolvidos.

Muitas grávidas se queixam de enjoos, azia, dores de cabeça, nas costas e nas pernas e, como o acesso a medicamentos para esses sintomas é fácil e não requer receita médica, é comum que elas r comprem remédios por conta própria e com certa frequência.

Um outro erro comum de muitas gestantes é aproveitar a experiência de outras gestantes, achando que aquilo que serviu para uma, pode servir também para ela.
É bom sempre lembrar que qualquer medicamento pode ser perigoso à saúde duplamente, já que o feto, por ser muito frágil, está mais sujeito a efeitos negativos não esperados.