Atenção aos ataques à geladeira durante a madrugada!


Este hábito, quando frequente, pode ser considerado uma síndrome.

Quebrar a dieta, deslizar um pouco no cuidado rigoroso com a alimentação e beliscar alguma guloseima na madrugada é algo que pode ocorrer. O problema é quando este hábito se torna frequente e a saúde é prejudicada.
 
O excesso de fome durante a noite pode estar associado à hiperfagia, que é o consumo compulsivo de alimentos a qualquer hora do dia. Esses maus hábitos podem ser considerados uma síndrome. Às vezes, quem tem fome noturna apresenta ausência de apetite pela manhã, alimentação reduzida durante o dia e problemas para pegar no sono. A síndrome da fome noturna ainda é pouco conhecida, mas atinge 1,5% da população mundial.
 
Pessoas que atravessam períodos de estresse ou ansiedade tendem a comer mais, principalmente  alimentos ricos em gorduras e carboidratos. Ingerir a comida rapidamente, quase sem mastigá-la, pode ser uma tentativa de aliviar a ansiedade. 
 
O aumento de peso é uma consequência do descontrole alimentar e da síndrome da fome noturna. As consequências são preocupantes para a saúde: alteração do nível de colesterol e triglicérides, diabetes e pressão alta, além da obesidade. Por isso, se os “ataques noturnos” à geladeira ou despensa são frequentes, a recomendação é procurar especialistas (endocrinologista, psicólogo, nutricionista) e buscar solucionar o problema logo no início.
 
Basicamente, são necessárias duas abordagens. A primeira é comportamental, com sessões de psicoterapia e mudança de hábitos, o que inclui atividade física regular e o seguimento de uma dieta acompanhada por um nutricionista; a segunda depende da situação em que o paciente se encontra. Pode haver a necessidade de medicamentos que controlem as crises de ansiedade.
 
Por: AgComunicado