Assim como na dieta, bons resultados da cirurgia bariátrica depende da mudança de hábitos


Alimentação balanceada e atividades físicas regulares são as principais aliadas contra a obesidade.

Nos casos graves de obesidade, quando medidas básicas como mudança de hábitos alimentares (com controle da compulsão alimentar) e prática de atividades físicas regulares são impossíveis de ser implementadas, pode haver a indicação de uma intervenção médica mais radical e efetiva como a cirurgia bariátrica, mais conhecida como cirurgia de redução do estômago.
 
Pessoas com índice de massa corporal (IMC) superior a 40 são, na maioria dos casos, as que mais são conduzidas a esta cirurgia como melhor solução para o problema de excesso de peso e suas consequências à saúde – diabetes e hipertensão, por exemplo. De acordo com o último levantamento da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), só em 2010, foram realizados cerca de 60 mil procedimentos para redução do estômago, número quase  três vezes maior se comparado ao ano de 2005.
 
Quando a cirurgia é recomendada, existem várias mudanças nos hábitos cotidianos que o paciente precisa adotar para não correr o risco de o problema voltar após algum tempo da cirurgia. As dietas e atividades físicas serão sempre aliadas ao bom resultado do procedimento cirúrgico e devem ser seguidas para o resto da vida. Alguns remédios podem ser prescritos.
 
O período pós-operatório é caracterizado por grandes mudanças, não apenas físicas, mas também psicológicas. O estômago é reduzido, logo a quantidade de alimentos ingeridos é relativamente inferior ao que antes era considerado “normal” aos olhos do ex-obeso. Sendo assim, o fato de “comer com os olhos” se torna literal...o prato acaba ficando maior do que a pessoa vai realmente conseguir comer. Aos poucos, a reeducação alimentar é atingida e o peso corporal ideal também.
 
Vale lembrar que a cirurgia bariátrica não é de nenhuma maneira um procedimento estético. É um tratamento indicado para os casos de obesidade grave e que deve ser encarado como um recurso de último caso. Por isso, não adianta a pessoa apenas se submeter à cirurgia e imaginar que será emagrecido como por milagre. Assim como na dieta, será é preciso mudar hábitos, manter a alimentação balanceada e as atividades físicas regulares para o resto da vida.
 
Por: AgComunicado