As Vitaminas e os Cálculos Renais


Apesar da crença que a ingestão de suplementos de vitamina está associada com o aumento da incidência de cálculos renais, a evidência para uma relação é inconclusiva.

As Vitaminas e os Cálculos Renais
 
 
Apesar de uma crença amplamente divulgada na comunidade médica que a ingestão de suplementos de vitamina C está associada com um aumento da incidência de cálculos renais, a evidência para uma relação causal entre a vitamina C e pedras nos rins é inconclusiva. Enquanto o excesso de ingestão de vitamina C pode aumentar o risco de formação de pedra de oxalato de cálcio, na prática isto é raramente encontrado. A ligação entre a ingestão de vitamina D e pedras nos rins também é tênue. Suplementação excessiva de vitamina D pode aumentar o risco de formação de pedra, aumentando a absorção intestinal de cálcio, mas não há nenhuma evidência de que a correção da deficiência de vitamina D aumenta o risco de formação de pedra.
 
 
Não existem dados conclusivos mostrando uma relação de causa-efeito entre o consumo de álcool e pedras nos rins. No entanto, alguns têm teorizado que determinados comportamentos associados a frequentes bebedeiras pode levar a desidratação sistêmica, que pode nos levar de volta ao desenvolvimento de pedras nos rins. A American Urological Association projetou que o aumento da temperatura global levará a um aumento da incidência de pedras nos rins, nos Estados Unidos.
 
 
O diagnóstico de pedras nos rins é feito com base nas informações obtidas a partir da história do paciente, de exame físico, de exame de urina e de estudos radiográficos. Exame de ultrassom e exames de sangue também pode ajudar no diagnóstico. Para as pedras sintomáticas, o controle da dor é, geralmente, feito pelo uso de medicamentos antiinflamatórios (como 800 mg de ibuprofeno, 3 vezes por dia) ou opióides.
 
Henrique Torres