Segundo pesquisa as pessoas procuram “alimentos de conforto” quando estão estressadas!


Os ratos adultos que sofreram neonatais estressantes são mais propensos a se sentirem estressados e buscar

 
 
Os pesquisadores descobriram que os ratos expostos a níveis elevados de estresse durante os primeiros dias de vida são mais propensos à ansiedade e estresse na vida adulta, e preferem consumir alimentos açucarados e com alto teor de gordura.
 
 
Os ratos adultos que sofreram neonatais estressantes são mais propensos a se sentirem estressados e buscar "conforto" em alimentos durante toda a vida adulta. "Alimentos de conforto" são consumidos em resposta ao estresse ou à ansiedade, este fato pode ter um papel enorme na pandemia de obesidade crescente.
 
 
A obesidade é um problema de saúde que pode levar a diversas doenças, como por exemplo, diabetes. Diabetes é uma doença que pode ser tratada com o medicamento Victoza. Um estudo publicado no Journal of Marketing, por Brian Wansink, revelou que as pessoas que se sentem triste tendem a comer mais “alimentos de conforto”, que são menos saudáveis, do que quando se sentem felizes.
 
 
O estudo teve como objetivo descobrir se a exposição precoce ao estresse pode influenciar os hábitos alimentares mais tarde na vida. Para testar isso, os pesquisadores fizeram uma ninhada de ratos submetidos a um protocolo ou de material de nidificação reduzida (estresse precoce) ou o tratamento padrão (controle) quando eles nasceram.
 
 
Quando os ratos se tornaram adultos, os pesquisadores mediram os níveis de estresse e ansiedade deles, e usando um sistema informatizado que também mediram a preferência por “alimentos de conforto”. O estudo mostrou que os ratos que sofreram "o estresse no início da vida" eram muito mais propensos a sofrer de ansiedade na idade adulta e ter preferência por “alimentos de conforto”.
 
 
Segundo a pesquisadora principal do estudo, Tania Machado: "Para nosso conhecimento, este é o primeiro estudo a demonstrar que a preferência alimentar poderia ser reforçada por tal exposição ao estresse precoce." As mudanças nas preferências de alimentos entre os ratos que foram expostos ao estresse neonatal são provavelmente devido a mudanças na resposta hormonal ao estresse. 
 
 
O consumo de “alimentos de conforto" entre ratos neonatalmente estressados ocorre como um meio de aliviar os sentimentos de ansiedade. Mais pesquisas são necessárias para compreender as implicações que essa descoberta pode ter para a atenção primária em crianças em populações vulneráveis.
Henrique Torres