Apneia obstrutiva do sono pode estar relacionada a outros problemas de saúde


Hipertensão arterial, arritmia...Saiba mais.

Segundo pesquisa realizada pelo Instituto do Sono, entidade ligada à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o ronco é o distúrbio do sono mais comum entre os brasileiros. Pode ser causado por diversos fatores, como obstrução nasal, rinite alérgica, desvio de septo, pólipos nasais ou hipertrofia dos cornetos. Em todo caso, o sono do roncador se mantém em um estágio mais leve, não passando pela fase reparadora. Os músculos da garganta ficam tensionados para manter a via respiratória aberta. Como consequência, o indivíduo passa por noites mal dormidas e sofre frequentemente com cansaço, sonolência, irritabilidade, engasgos noturnos e até mesmo alterações na memória e na produtividade. 
 
Por mais comum que o ronco seja, é preciso estar atento aos problemas decorrentes. Entre os principais está a chamada Apneia Obstrutiva do Sono (AOS). No Brasil, ela afeta cerca de 8,5 milhões de pessoas ou 5% da população, segundo dados do Instituto de Medicina e Sono. Suas características são episódios inspiratórios ineficazes, que levam à interrupção respiratória por 10 segundos ou mais. Essa respiração alterada reduz a saturação de oxigênio no sangue. Consequentemente, aumenta o trabalho cardíaco e expõe o indivíduo a diversos problemas de saúde como arritmias e hipertensão arterial, por exemplo. Sendo assim, o uso de medicamentos que antes não eram utilizados podem ser recomendados.
 
O acompanhamento e o tratamento médico são fundamentais. Existem vários tipos de tratamentos eficazes, não-cirúrgicos ou cirúrgicos, a depender do diagnóstico, análise dos sintomas e gravidade do problema. Uma alternativa é a utilização de uma máscara que auxilia a respiração durante o sono. Porém, com o tempo de uso, os pacientes acabam se queixando do desconforto em dormir com essa máscara. Nestes casos o médico avaliará outra maneira de tratar o paciente.
 
Pesquisadores do Instituto do Coração (Incor) desenvolveram uma série de exercícios de fonoaudiologia que fortalecem os músculos da garganta para tratar a apneia do sono. Vale procurar também um fonoaudiólogo para averiguar a necessidade desse complemento e tratar a apneia obstrutiva do sono.
 
Por: AgComunicado