Amidalite: tratamento efetivo depende do diagnóstico correto


Comum na infância, infecção é causada tanto por vírus como bactérias

Elas funcionam como uma grande barreira, impedindo ou dificultando que infecções da garganta, boca e seios da face se espalhem pelo organismo. As amígdalas são um tecido esponjoso, localizadas nos dois lados da garganta, na entrada das vias respiratórias. Sua função de proteção e produção de anticorpos ajudam a combater as infecções na garganta e no nariz. A amigdalite é a doença que compromete as amígdalas.

A doença pode ser causada tanto por vírus (comum na infância), bactérias (frequente na adolescência e vida adulta) ou ainda pelos dois agentes associados.

Entre os sintomas mais comuns estão febre, dor de garganta, calafrios, dor de cabeça, falta de apetite, hálito comprometido, dificuldade para engolir e inchaço dos gânglios do pescoço e da mandíbula. É importante não confundir estes sintomas com os da gripe ou da mononucleose.

Para tratá-la, cabe ao médico diagnosticar corretamente o tipo de amigdalite:

se causada por vírus, a infecção atinge tanto as amígdalas como a faringe (orofaringe);
se causada por bactéria (entre as mais comuns, as estreptococos e os estafilococos), há uma grande inflamação e aparecem placas de pus.

Cabe ao paciente seguir o tratamento médico durante o prazo estipulado, na posologia correta. Quando não tratada, a amigdalite pode trazer complicações, chamadas de secundárias, como febre reumática, surdez, problemas nos rins e no coração.

Crianças e adultos podem desenvolver a amigdalite crônica. Para tratá-la é preciso antes identificar as causas, para só então buscar o melhor e mais adequado tratamento. Utilizada com grande frequência no passado, a retirada das amígdalas por meio de cirurgia era a solução encontrada para tratar esta manifestação da doença. Hoje, porém, só se recorre a ela se, efetivamente, o organismo não responder ao tratamento à base de medicamentos.  

Quem sofre de amigdalite não pode, de forma alguma, fumar ou ficar em ambientes onde se fuma.  O ar-condicionado é outro vilão, pois resseca as mucosas e reduz a resistência das amígdalas. Durante a manifestação da doença, a alimentação deve ser leve, com sopas e alimentos macios, além de bebidas mornas, como chás.

Por: AgComunicado