Alterações na tireoide podem afetar o funcionamento do metabolismo


Entenda como a produção baixa ou em excesso de hormônios pode prejudicar a saúde

A tiroide ainda é confundida por algumas pessoas com uma doença, quando na realidade ela é uma glândula localizada na base do pescoço, na frente da traqueia. É na tireoide que são produzidos os hormônios T3 e T4 (triiodotironina e tiroxina), responsáveis pelo metabolismo do corpo. São eles que regulam o modo do organismo gastar e armazenar energia.

O mau funcionamento da tireoide pode liberar hormônios em excesso (hipertireoidismo) ou em quantidades insuficientes (hipotireoidismo). Quando ela libera muito hormônios, acaba acelerando todo o metabolismo, fator que resulta em perda excessiva de peso, diarreia, taquicardia, palpitações, insônia, dentre outros prejuízos à saúde. Já nos casos de hormônios reduzidos, os efeitos fazem com que a pessoa ganhe peso, tenha fraqueza muscular e perda de cabelo, entre outros males.

Qualquer pessoa, independente do sexo ou idade,  está sujeita a alterações nessa glândula, mas as mulheres acima dos 40 anos são as mais afetadas.

Alterações na tireoide também podem desencadear crises de enxaqueca. Pesquisas já comprovaram que após o tratamento das glândulas, dores intensas de cabeça podem melhorar ou desaparecer.

Como tratar?

Nos casos de hipotireoidismo, caracterizados pela baixa produção de hormônio, o médico geralmente irá indicar medicamentos para repor os hormônios perdidos e  as doses podem ser ajustadas ao longo do tratamento.

Em contrapartida, o tratamento do hipertireoidismo é mais complexo. O médico pode indicar um remédio para bloquear a produção excessiva dos hormônios e ajustá-lo no decorrer de um ano. Mas nem sempre essa medida apresenta resultados. Há tratamentos que implicam o uso de iodo radioativo, que destrói as células responsáveis pela produção excessiva de hormônio.

Em casos mais graves, o paciente pode optar pela cirurgia, na qual é retirada parte ou mesmo toda a glândula, e ficará dependente de reposições hormonais.

Por: AgComunicado