Alimentos integrais fornecem mais nutrientes para o organismo


Saiba como isso funciona.

 Os alimentos integrais são aqueles que não passaram por processos de refinamento, ou seja, mantiveram sua estrutura original mesmo após a industrialização. Dentre os mais conhecidos, estão o arroz integral, granola, farinha de trigo e açúcar mascavo. Eles mantêm as cascas e películas protetoras que abrigam os nutrientes relacionados aos movimentos peristálticos (transporte do alimento ao longo do tubo digestivo) e também pela redução do colesterol e glicose.
 
Os alimentos integrais são fontes de fibras e oferecem nutrientes essenciais para a saúde do corpo e da mente, como as vitaminas do complexo B, minerais como o ferro, magnésio e selênio. São indicados para melhorar o trânsito intestinal e prevenir a constipação (prisão de ventre), ajudando assim no processo de pré e pós emagrecimento. Reduzem os riscos de desenvolvimento de câncer de intestino e estômago e fornecem mais energia para o dia a dia. 
 
Nem todos sabem que, em comparação aos refinados, os alimentos integrais são mais nutritivos. Uma refeição composta por carboidratos simples, por exemplo, com pão, massa ou açúcar refinado, aumenta os níveis de açúcar no sangue. A consequência é a sensação precoce de fome e maior predisposição para o acúmulo de gorduras. Já uma refeição rica em fibras é diferente: prolonga a sensação de saciedade e torna o processo digestivo mais lento. Isso é especialmente importante para para quem tem diabetes. 
 
Claro que não vale exagerar. O fato de que prolongam a saciedade não quer dizer que  podemos ingerir integrais em excesso, sem prejudicar a saúde ou a boa forma. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o consumo diário ideal de fibras é de 25 gramas. Acima disso, ele causa desconforto e distensão abdominal. Para não comprometer o equilíbrio, vale incluir um alimento integral em cada uma das cinco refeições diárias.
 
Por: AgComunicado