Alguns alimentos não combinam com remédios


Pesquisas mostram aspectos sobre as combinações entre nutrientes e remédios

A ação da ingestão de certos alimentos junto com remédios começa a ser mais bem estudada. Novas pesquisas mostram o poder dos nutrientes na potencialização ou diminuição dos efeitos dos medicamentos. Nos Estados Unidos, foi lançado um guia online para orientar a população. Intitulado “Avoid Food-Drugs Interactions”, ele reúne as informações atuais sobre esse assunto. Uma delas é beber leite ou uma hora antes ou duas depois de tomar os antibióticos como tetraciclina e ciprofloxacina. O cálcio encontrado no leite prejudica a absorção dessas substâncias e reduz seu efeito.  

 
Outra recomendação do guia americano é não misturar certos anti-inflamatórios, antibióticos e medicamentos cardiovasculares com queijos fermentados ou fundidos e demais alimentos ricos em tiramina, como o salame e o vinho tinto, pois isso pode elevar a pressão arterial. 
 
As autoridades americanas também insistem na necessidade de evitar o consumo de mais de três doses de bebidas alcoólicas no mesmo dia em que for ingerido algum analgésico contendo ácido acetilsalicílico ou anti-inflamatórios. O risco é de hemorragia gástrica. 
 
O alerta inclui o uso preventivo de remédios contra ressaca contendo essas substâncias. Quem bebe drinques a mais deve deixar de lado o consumo de analgésicos contendo paracetamol.  
 
No Canadá, pesquisas mostram aspectos importantes sobre as combinações entre nutrientes e medicamentos. Na Universidade de Ottawa, o cientista John Arnason avaliou como 450 produtos alimentícios podem interferir na ação de medicamentos. Ele investigou também quais alimentos e ervas influenciam a ação do Tamiflu, remédio contra o vírus influenza, causador da gripe. Ele concluiu que as plantas chinesas ministradas contra a doença, a erva-de-são-joão e a goldenseal, comum no Canadá, interferem negativamente nos efeitos desse medicamento. O chá verde e o preto poderiam também aumentar a concentração de diversas drogas no sangue. Cervejas, pimentas e outras comidas ricas em substâncias fitoquímicas apresentariam o mesmo efeito. 

 

Autor:  Agência Comunicado

Fonte:  Época