O que você precisa saber sobre a Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV)


Conheça os sintomas e forma de tratamento

Muitas pessoas confundem a Intolerância à lactose com a Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV). A reação alérgica, na verdade, é decorrente da intolerância às proteínas presentes no leite animal. Trata-se de uma reação do sistema imunológico às proteínas do leite e principalmente à caseína, proteína presente no coalho.

Os tipos de reação são diversos e estão classificados a partir das siglas: IgE Mediada; IgE não mediada e Mistas.  As reações resumidamente são:

IgE Mediada: as reações são imediatas e podem aparecer de segundos a até 2 horas após a ingestão do leite.

IgE não mediada: as reações são tardias, podem surgir horas ou até dias depois da ingestão do alimento.

Mistas: podem surgir tanto reações imediatas quanto reações tardias.

Os sintomas em caso de IgE Mediada são: o indivíduo pode apresentar urticária, angioedema  (inchaço na região dos lábios e olhos), pode ocorrer anafilaxia, chiado no peito, entre outros.

Em casos de IgE não mediada: podem surgir vômitos tardios, diarreia, sangue nas fezes, cólica, assadura perinatal, entre outros.

Em casos de Mistas: vômito, refluxo, asma, diarreia, dores abdominais, entre outros.

Não é possível ter um diagnóstico preciso de alergia à proteína do leite do tipo IgE Mediada ou IgE não mediada, como exame de sangue ou teste cutâneo. A única maneira de detectar esse tipo de anormalidade é por meio de investigação médica e isenção na dieta de leite e derivados. 

No caso de reações imediatas, testes cutâneos podem ser realizados, mas o histórico relacionado à dieta é um fator preponderante para identificar um caso de alergia.

Como no caso de reações tardias, os sintomas podem surgir dias depois da ingestão do leite e derivados, ter um diagnóstico preciso depende da avaliação do histórico alimentar do paciente.

O que se torna essencial para descobrir um caso de alergia à proteína do leite de vaca que costuma ser mais comum entre bebês é a observação dos sintomas e hábitos alimentares. Na fase adulta, por conta de sintomas como asma e respiração cansada, se torna mais difícil tanto para a pessoa quanto para o especialista identificar um caso de APLV.

O tratamento é restringir totalmente o leite animal e derivados da dieta. Mas há tratamentos já aplicados em que a pessoa depois de se abster totalmente do consumo do leite e derivados é orientada aos poucos ao consumo, na tentativa de controlar melhor as crises alérgicas.


Fonte 
Alergia à Proteína do Leite de Vaca. Tipos de reações e sintomas - www.alergiaaoleitedevaca.com.br/tipos-de-reacoes

 

Daiana Barasa