A importância da boa alimentação na terceira idade


Após os 70 anos, as pessoas devem redobrar os cuidados nutricionais.

 Na terceira idade, a perda do apetite e o efeito cumulativo dos hábitos alimentares adotados ao longo da vida costumam ficar acentuados. As pessoas a partir da sétima década de vida precisam saber lidar com as mudanças necessárias em seu cardápio para manter uma boa qualidade de vida.
 
É importante manter-se atento ao estilo de vida. Combater o sedentarismo, incluir atividades físicas regulares e apropriadas no cotidiano, controlar o estresse, fazer a correta ingestão dos medicamentos prescritos por especialistas e manter uma dieta balanceada, seguindo as recomendações médicas, são fatores que têm influencia sobre a qualidade de vida e a longevidade. 
 
O bom estado nutricional, com o fornecimento adequado de energia, vitaminas, minerais e proteínas é de extrema importância para que o organismo do idoso resista às doenças crônicas e debilitantes que se tornam mais comuns nesta fase da vida.
 
Caso consultado, o nutricionista questionará o idoso (ou, em casos específicos, familiares e/ou cuidadores) sobre as alterações de peso, doenças, restrições alimentares voluntárias ou impostas, possíveis doenças e o uso de medicamentos. Com estes conhecimentos é possível montar o cardápio ideal e fazer com que a pessoa  consuma adequadamente os alimentos de acordo com suas necessidades individuais.
 
A presença na dieta de fontes de carboidratos complexos como o arroz, macarrão, pães, batata e cereais é prioridade para minimizar os picos de hiperglicemia. Já no caso das proteínas, devem ser de origem vegetal e  animal. A mistura de cereais e leguminosas é a dica para reter a quantidade de aminoácidos necessários para o organismo.
 
A ingestão adequada de cálcio e a vitamina D está relacionada a um bom processo de envelhecimento. São elementos necessários para recompor as perdas de massa óssea e atuar na prevenção da osteoporose.
 
Caso a ingestão de determinados alimentos seja limitada, vale recorrer, sempre sob prescrição médica, aos suplementos que beneficiam a saúde dos idosos, aliando-os às recomendações médicas.
 
Por: AgComunicado