A hipertensão arterial na gravidez


Saiba sobre um dos distúrbios mais recorrentes nas grávidas.

A pressão alta geralmente se deriva dos maus hábitos alimentares, uma dieta com muito sal e a falta de exercícios físicos. A doença é responsável pela morte de grande parte da população brasileira. Isso porque é uma doença silenciosa cujo sintomas nem sempre são reparados pelo diabético.
 
Além disso, a hipertensão arterial, também é muito perigosa quando presente em mulheres grávidas. É um problema que atinge de 5% a 7% das grávidas brasileiras e deve exigir muitos cuidados pois pode comprometer a saúde não só do bebê como da mãe.  A hipertensão na gravidez é quando uma mulher, que nunca teve pressão alta, é diagnosticada com pressão alta especificamente durante a gestação. Se chama doença hipertensiva específica da gestação ( DHEG) e é um dos distúrbios mais comuns em grávidas.
 
Esse distúrbio acontece devido a má adaptação do organismo da mulher a sua nova condição. Além disso é devido também aos fatores já conhecidos como o consumo excessivo de sal e o sedentarismo.
 
É necessário que a mulher fique bem atenta aos sinais da doença.  Dores de cabeça e dores abdominais, escotomas e inchaço no corpo geralmente querem dizer que a doença se encontra em um estado grave. Não que a hipertensão não possa ser controlada, ela pode sim. É preciso ficar atenta à alimentação e no ganho de peso, além de sempre medir a pressão. Hoje em dia é muito  fácil encontrar um aparelho de pressão digital, e o uso é muito prático. É indicado também uma dieta rica em ácido fólico. Caso alternativas assim não resolvam o médico pode indicar medicamentos especiais. 
 
A hipertensão arterial pode levar à morte fetal sim, mas não é nada que um pré-natal bem feito e orientado não possa impedir consequências mais graves.
 
Carina Xavier