A Epidemologia da Bulimia


Veja aqui os dados que mostram a prevalência da bulimia no mundo.

Epidemiologia da Bulimia


Há poucos dados sobre a prevalência de bulimia nervosa em populações gerais. A maioria dos estudos realizados até agora têm sido em amostras de conveniência de pacientes hospitalares, ensino médio ou estudantes universitários. Estes produziram uma grande variedade de resultados: entre 0,1% e 1,4% dos homens, e de 0,3% a 9,4% das mulheres possuem bulimia. Estudos sobre as tendências temporais na prevalência de bulimia nervosa também geraram resultados inconsistentes. De acordo com Gelder, Mayou e Geddes (2005) a bulimia nervosa é prevalente entre 1 e 2 por cento das mulheres com idades entre 15 e 40 anos de idade. A bulimia nervosa ocorre mais frequentemente nos países desenvolvidos (Gelder, Mayou e Geddes, 2005). Há uma percepção de que a bulimia é mais prevalente entre as meninas de famílias de classe média, no entanto, em um estudo de 2009 meninas de famílias na faixa de renda mais baixa tiveram 153% mais probabilidade de ser bulímicas do que as meninas de faixa de renda mais alta.
 
 
Um estudo dedicado a investigar a internalização da ideia de corpo ideal como um fator de bulimia nervosa é a pesquisa de Thompson e de Stice. O objetivo do estudo foi investigar como e em que grau o efeito de internalização da ideia de corpo magro ideal promovida pela mídia está na base do processo de surgimento da bulimia.. Thompson e Stice utilizaram experimentos aleatórios (mais especificamente alguns programas), dedicados a ensinar as mulheres mais jovens a serem mais críticas quando se trata de mídia, a fim de reduzir a internalização ideal de magreza. Os resultados mostraram que, ao criar mais consciência de controle dos meios de comunicação do ideal social de atratividade, a internalização da ideia de corpo ideal caiu significativamente. Em outras palavras, menos imagens ideais de corpos magros retratados pela mídia resultou em menos internalização ideal de magreza. Portanto, Thompson e Stice concluíram que a mídia afetou em muito a internalização da ideia de magreza ideal. É isso que leva à autopurgação como tentativa de emagrecer.
Henrique Torres