A Classificação da Síndrome de Asperger


Entenda como se classifica a Síndrome de Asperger.

Classificação da Síndrome de Asperger


Como outros transtornos do desenvolvimento psicológico, a Síndrome de Asperger começa na infância, tem uma rota fixa sem remissão ou recaída e tem deficiências resultantes de alterações relacionadas à maturação em vários sistemas do cérebro. Transtorno do espectro autista, por sua vez, é um subconjunto do fenótipo mais amplo do autismo, que descreve as pessoas que podem não ter transtorno do espectro autista, mas tenham traços autistas, como déficits sociais. Autismo é mais similar aos sinais e prováveis causas, mas seu diagnóstico requer comunicação prejudicada e permite o atraso no desenvolvimento cognitivo.


A extensão de sobreposição entre Síndrome de Asperger e autismo de alto funcionamento (HFA — autismo acompanhado de retardo mental) é claro. A atual classificação de Transtorno do espectro autista é, em certa medida, um artefato de como o autismo foi descoberto, e pode não refletir a verdadeira natureza do espectro; problemas metodológicos têm atormentado a síndrome de Asperger como um diagnóstico válido desde o início.


Dentre as alterações propostas para a quinta edição do Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM-5), a ser publicado em maio de 2013, seria eliminar a síndrome de Asperger como diagnóstico separado e dobra-lo em transtorno autista (transtorno do espectro do autismo), que seria avaliado em uma escala de gravidade. Com o diagnóstico de síndrome de Asperger, a alteração proposta é controversa, e discutiu-se que os critérios de diagnóstico da síndrome devem ser alargados.
 

Síndrome de Asperger também é chamada de AS, transtorno de Asperger ou apenas Asperger aou AD. Há pouco consenso entre os pesquisadores clínicos sobre se o nome da condição deve começar em "Síndrome" ou "desordem".
 
Henrique Torres