Tasigna: um fármaco eficaz para a LMC


Os pacientes e médicos se beneficiaram de uma nova forma de tratamento, com maiores chances de cura e menor incidência de efeitos colaterais

Há pouco tempo, o diagnóstico da leucemia trazia perspectivas desanimadoras, pois não havia tratamentos capazes de conter a progressão da doença e os medicamentos disponíveis eram responsáveis por inúmeros efeitos colaterais desagradáveis.

Em 2009, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) aprovou o medicamento Tasigna (nilotinibe) para o tratamento de pacientes adultos com leucemia mieloide crônica. Os pacientes e médicos se beneficiaram de uma nova forma de tratamento, com maiores chances de cura e menor incidência de efeitos colaterais, o que possibilitou uma melhor qualidade de vida aos pacientes.

O medicamento Tasigna é indicado para o tratamento da leucemia mieloide crônica positiva para o cromossomo Philadelfia (LMC Ph+) para pacientes resistentes ou intolerantes ao tratamento de primeira linha com imatinibe.

A LMC é um dos principais tipos de leucemia, sendo responsável por 15% dos casos diagnosticados. Esse tipo de câncer afeta as células mieloides do sangue, um subtipo de glóbulos brancos. A maioria dos quadros de LMC está relacionada a uma anormalidade genética celular, denominada cromossomo Philadelphia (Ph), que produz uma proteína chamada tirosina quinase BCR-ABL, apontada como principal causa da doença.

É possível detectar sinais da LMC com um simples hemograma (exame de sangue), que mostra as alterações dos glóbulos brancos. Em seguida, o médico ´pode solicitar outros exames como o mielograma ou biópsia, para confirmar a doença.

Após o diagnóstico o médico irá avaliar o tipo de leucemia para indicar o tratamento mais adequado. Nesse momento é importante conversar abertamente com o seu médico para tirar todas as dúvidas sobre as etapas de tratamento, os riscos e os possíveis efeitos colaterais que podem surgir no decorrer do tratamento. Além disso, é importante seguir cm o tratamento de forma adequada, conforme orientação médica, para melhores resultados e para evitar que a doença evolua para a fase aguda.

Vanessa Ferreira