Sprycel para leucemia mieloide crônica


O medicamento Sprycel é recomendado para tratar adultos com leucemia, (LMC) nas fases crônica, acelerada ou blástica mieloide/linfoide

Sprycel para leucemia mieloide crônica

A leucemia mieloide crônica (LMC) é um tipo de câncer do sangue resultante de uma alteração no DNA das células-tronco. É uma alteração no material genético das células responsáveis por dar origem a todos os componentes do nosso sangue. 

Quando a doença é diagnosticada, o paciente deve iniciar o tratamento imediatamente, para melhores chances de cura. A leucemia é uma doença silenciosa, ou seja, na maioria dos casos, não causa sintomas característicos. Os sintomas podem ser confundidos com uma gripe comum. Isso dificulta um diagnóstico precoce, que pode ser essencial para aumentar as chances de cura.

A boa notícia é que existem tratamentos muito eficientes e com ótimos resultados para combater a LMC. Uma das formas de tratamento é a utilização de medicamentos orais, conhecidos como Inibidores da tirosina quinase, como o Sprycel (dasatinibe), que age seletivamente sobre o agente causador do câncer, poupando as células saudáveis. O medicamento Sprycel é recomendado para tratar adultos com leucemia, (LMC) nas fases crônica, acelerada ou blástica mieloide/linfoide, em pacientes com resistência ou intolerância à terapia anterior com medicamentos como o imatinibe.

É importante estar atento a todos os possíveis efeitos colaterais que podem ser causados com o uso de Sprycel. Sua administração pode causar a diminuição do número de células vermelhas (anemia), redução de células brancas (neutropenia) ou de plaquetas (trombocitopenia). Além disso, pode causar sangramentos mais graves, retenção de líquido nas pernas e ao redor dos olhos. Durante o tratamento o médico deve solicitar exames de sangue para monitorar os níveis sanguíneos e controlar essas alterações.

Algumas condições devem ser levadas em consideração antes da administração do medicamento. Informe o seu médico:

- Se tem algum problema no fígado;
- Se tem problemas no coração, incluindo uma condição chamada síndrome do QT longo congênito;
- Se é intolerante à lactose;
- Se tem distúrbios no sistema imunológico;
- Se planeja engravidar.

Vanessa Ferreira