População desconhece diferenças entre bronquite e asma


Pacientes precisam procurar um médico para serem tratados corretamente

Uma pesquisa encomendada pela Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) mostrou que muitas pessoas desconhecem as diferenças entre asma e bronquite. Ambas são enfermidades crônicas com causas e tratamentos diversos. Os especialistas explicam que a falta de conhecimento leva as pessoas a darem menor importância à asma e a demorarem para procurar auxílio médico. 

Por ano, são 350 mil internações e 3 mil mortes por asma no Brasil. Muitas vezes o paciente ou seus pais (no caso das crianças) pensam que os sintomas se devem à uma bronquite, quando na verdade o paciente sofre de asma, que é hereditária e atinge todas as idades. 

Há casos em que o asmático se refere à doença como bronquite alérgica ou bronquite asmática, pois existe um entendimento equivocado de que asma é uma doença grave, e de que a bronquite é mais leve e passageira. Essa confusão faz com que as pessoas subestimem a asma e evitem o tratamento. Trata-se de um sério problema, uma vez que o asmático precisa se tratar ao longo de toda sua vida. Seus portadores precisam ir com frequência ao médico e tomar medicamentos não apenas quando têm uma crise.  

Bombinhas – Alguns asmáticos evitam o tratamento por conta do preconceito que sentem contra os inaladores, que na realidade são seguros e atuam apenas no pulmão. Existem dois tipos de bombinhas: as broncodilatadoras, que trazem alívio durante as crises, e as que tratam a inflamação, prevenindo novas crises. 

Além da medicação, são medidas que beneficiam o asmático: 

  • Evitar o cigarro
  •  Evitar fatores ambientais que desencadeiam as crises
  • Praticar esportes
  • Fisioterapia respiratória nos casos mais graves.

Com essas medidas, o paciente com asma pode ter vida normal, sem falta de ar ou chiado no peito.  

Veja as diferenças entre asma e bronquite: 

Asma: Doença crônica hereditária, com componente alérgico. Causa inflamação nas vias respiratórias. Fatores como o pó doméstico faz os brônquios se contraírem, causando falta de ar, chiado no peito e tosse. Fatores emocionais e climáticos também podem iniciar uma crise.  

Bronquite crônica: A exposição a substâncias como fumaças (cigarro e outras) e produtos químicos causa a inflamação dos brônquios. Os sintomas são falta de ar e tosse com secreção. Pode evoluir para enfisema pulmonar, que afeta também os alvéolos, caso a exposição à fumaça não seja interrompida.  

Bronquite aguda: Inflamação dos brônquios causada por vírus ou bactéria. Dura alguns dias e desaparece após o tratamento correto. Muitas pessoas confundem esse tipo de bronquite com crises de asma.  

Fonte:  Agência Comunicado