O diagnóstico precoce do câncer de mama


O câncer e mama é o mais recorrente e temido entre as mulheres brasileiras. Dentre os efeitos psicológicos que causa a sexualidade e a imagem que a mulher forma de si mesma...

O diagnóstico precoce do câncer de mama

O câncer e mama é o mais recorrente e temido entre as mulheres brasileiras. Dentre os efeitos psicológicos que causa a sexualidade e a imagem que a mulher forma de si mesma são afetados. Raramente atinge mulheres com menos de 35 anos.

Como citado, é uma das principais causas de morte em mulheres e houve inclusive um aumento no número de casos. No Brasil, o câncer de mama é o que mais causa mortes.  

Dentre os sintomas estão o nódulo nas mamas, vindo junto com dor ou não, alterações na pele e também nódulos nas axilas. O que pode causar o aparecimento da doença é principalmente o histórico de câncer de mama na família. Mulheres com mais de 50 anos também se encontram no grupo de risco e outro fator é uma primeira menstruação precoce, menopausa tardia e o uso de anticoncepcionais (esses métodos contraceptivos podem aumentar o risco do câncer aparecer). Outros fatores são  ingestão de álcool e exposição a radiação.  

Detectar o câncer de mama ainda em seu estágio inicial é muito importante quando se trata das chances do tratamento ser totalmente eficaz. As opções de detectar a doença são diversas, entre elas está o Exame Clínico. Se trata de um exame feito pelos médicos que pode detectar tumores de até 1 cm. A potencialidade desse exame varia de acordo com a idade das mulheres.

O autoexame – ou exame do toque- também é de extrema importância, porém não é uma forma 100% eficaz de exame e não deve ser feito sozinho, ou seja, ele é importante na prevenção mas deve ser feito com outros exames.  Isso porque as evidências que podem aparecer no autoexame não é o suficiente para detectar o tumor. Sendo assim ele não deve substituir qualquer outro tipo de exame feito por um médico.

Outro tipo de exame é a mamografia. Trata-se de uma radiografia da mama e é eficaz por  ser capaz de mostrar tumores em fase iniciais e de tamanho muito pequeno.  É feita através de um aparelho de raio X chamado mamógrafo. A mama é comprimida para o exame obter imagens mais claras. Algumas mulheres queixam-se do desconforto que a compressão da mama pode causar, porém é um desconforto suportável e necessário.

Após ser detectado, deve-se iniciar o tratamento. Para mulheres que já passaram pela menopausa e o câncer está em um estágio avançado, o medicamento mais indicado é o anastrazol.  A droga é um inibidor da aromatase, que interfere na produção periférica de estradiol. Dentre seus benefícios estão o fato da absorção ser rápida e a concentração plasmática máxima aparece 2 horas após sua administração por via oral em jejum. Além disso a ingestão de alimentos não afeta sua absorção. Mesmo sendo um medicamento bastante indicado, o uso do anastrozol não é recomendado para mulheres grávidas e que estão amamentando, mulheres que ainda não passaram pela menopausa, mulheres com insuficiência renal e também que possuem doença hepática de moderada a severa.

Um tumor grande é mais difícil de ser tratado além de apresentar uma menor resposta ao tratamento.  Então é importante informar que exames periódicos são de extrema importância, pois o câncer de mama em estágio inicial não apresenta sintomas, apenas na fase um pouco mais avançada é que os sinais começam a aparecer e então o tratamento pode torna-se mais complicado. 

Carina Xavier